Ouça agora este podcast! “018 A construção do fluxo do dinheiro”

Desde o primeiro episódio aqui do investidor inteligente construimos uma progressão que começa na mentalidade do investidor inteligente. Digo isso, porque antes de falar dos diversos investimentos propriamente ditos é preciso construir essa mentalidade. O investidor inteligente sabe que é preciso ter os fundamentos sobre a maneira de lidar com o dinheiro e não somente o conhecimento técnico sobre cada tipo de investimento existente.

No episódio de hoje vamos refletir sobre os tipos de fluxo de dinheiro e qual deles o investidor deve buscar.

Recapitulando um dos pontos do nosso último episódio, para se alcançar a segurança, a independência e a liberdade financeira é preciso ter algo que vai além de ter dinheiro. É preciso ter fluxo de dinheiro. Ou seja, é preciso construir algo que garanta uma entrada de dinheiro constante que seja maior do que os seus gastos. Então vamos falar sobre os 4 tipos de fluxo de dinheiro para que você possa avaliar qual é o seu tipo qual tipo você considera o ideal para sua vida.

OS 4 TIPOS DE FLUXO DO DINHEIROx

Robert Kyosaky, no livro Pai Rico Pai Pobre, diz que 4 tipos de pessoas forma todos os negócios do mundo. Ou seja, todo o fluxo de dinheiro vem desses 4 tipos de pessoas:

  1. EMPREGADOS
  2. AUTÔNOMOS
  3. DONOS DE NEGÓCIOS
  4. INVESTIDORES

O empregado é aquela pessoa que busca um trabalho seguro e com benefícios. Busca ter um emprego que lhe sustente, se possível, até a aposentadoria. Uma grande parte das pessoas está sujeita a este tipo de fluxo de dinheiro, pois na maioria das famílias, os pais repetem insistentemente na educação dos filhos: “estude muito para depois arrumar um bom emprego”.

Os empregados dependem das empresas para as quais trabalham para ter fluxo de dinheiro. Se a empresa enfrentar dificuldades, ele sofrerá as consequências mesmo sem participar das decisões. O fluxo de dinheiro dos empregados depende de decisões dos outros.

O segundo grupo, o dos profissionais autônomos e também os donos de pequenos negócios são aqueles que podem trabalhar por conta própria, recebendo conforme o que produzem. Elas então, trabalham para elas mesmas, ou seja, se trabalharem recebem dinheiro e se não trabalharem não recebem. No caso, dos autônomos, eles tem poder de decisão sobre seu trabalho, mas somente garantem fluxo de dinheiro se estiverem trabalhando ativamente.

O terceiro grupo é o dos donos de grandes negócios. Eles buscam bons sistemas, uma boa rede e pessoas competentes que ajudam no crescimento do negócio. O grande objetivo dessas pessoas é a liberdade. Essa liberdade é perfeitamente possível, já que seus negócios não precisam do seu trabalho direto para funcionar. O resultado do seu trabalho é potencializado pelos sistemas e pelas pessoas competentes que fazem o negócio gerar fluxo de dinheiro. Assim, o dinheiro trabalha para os donos de grandes negócios.

O quarto grupo é o dos investidores.  São aqueles que buscam a verdadeira liberdade. Eles têm empregados, profissionais autônomos e donos de grandes negócios trabalhando para eles. Com isso, o dinheiro trabalha plenamente para eles, gerando fluxo constante que chamamos de renda passiva. Por isso para ser um investidor é preciso construir fontes de fluxo de dinheiro constante. É preciso construir renda passiva.

COMO CONSTRUIR RENDA PASSIVA?

Em primeiro lugar é preciso entender a diferença entre Ativos e Passivos. Robert Kyosaki também explica isso no livro Pai Rico, Pai Pobre. Trata-se do principal fundamento do conceito de Competência Financeira. E aqui não estou falando do conceito contábil de ativo e passivo. É um conceito muito mais intuitivo. Basicamente, ativos são aquelas coisas que colocam dinheiro no nosso bolso e passivos são aquelas que tiram dinheiro de nós. A partir daí você deve começar a avaliar se você possui mais coisas que tiram dinheiro do seu bolso ou mais coisas que colocam dinheiro no seu bolso.

Para entender melhor, vamos imaginar que você compre o carro ou a casa dos seus sonhos. Essas duas aquisições irão colocar ou tirar dinheiro no seu bolso?

Além do valor de aquisição desses dois bens, você terá, daí por diante, o IPVA, o seguro anual, as revisões e manutenções e a desvalorização contínua do automóvel, bem como o IPTU, o seguro residencial, a manutenção da casa, etc. Em nenhum dos dois casos você terá dinheiro entrando no seu bolso após a aquisição desses dois bens. Mas, pelo contrário, terá dinheiro saindo do seu bolso. Portanto, nesses dois exemplos você estaria adquirindo um passivo e não um ativo, como pensa a maioria das pessoas.

Diferente seria se você adquirisse um imóvel para que pudesse receber aluguel. Nesse caso, todos os meses o bem adquirido faria entrar dinheiro no seu bolso. Então, um imóvel adquirido para se ter uma renda de aluguel é um ativo.

Enquanto as pessoas comuns priorizam o consumo e o bem estar imediato, o investidor inteligente toma decisões que aumentam a quantidade de ativos porque ele sabe que esses ativos gerarão fluxo de dinheiro suficiente para pagar os passivos que deseja. Perceba que o investidor inteligente não deixa de ter passivos. A diferença é que ele, antes de adquirir passivos, constrói uma coluna sólida de ativos que torna possível a realização de sonhos, de conforto, de luxo, etc.

O investidor inteligente entende que precisa passar pela fase de acumulação de ativos antes de começar a comprar passivos. Ele faz com que seus ativos paguem a conta dos seus passivos para que ele fique livre desses pagamentos.

Investidor Inteligente do Dicas Curtas

Pin It on Pinterest

Share This