Ouça agora este podcast!

“012 A importância da SIMETRIA para a beleza facial”

Hoje, com este episódio, encerramos a discussão sobre os elementos e as características que contribuem para a atratividade da face humana. Ao longo dos episódios anteriores, falei sobre as unidades estéticas da face – como os olhos, a boca, o nariz – e o peso de cada um na beleza do rosto humano. Discutimos seus significados, suas formas perfeitas e os procedimentos que nos ajudam a alcançar o realce e o aperfeiçoamento de cada elemento estético. Falamos também de características mais gerais, como a textura da pele, e de conceitos como a neotenia, que também impactam de forma significativa nos juízos de beleza que fazemos diante das faces. Hoje, encerraremos a primeira temporada do Diva da Beleza abordando uma característica bastante discutida quando o assunto é harmonia facial: vamos falar de simetria!

Será que a simetria é fundamental para uma face ser considerada bela?

Será que a simetria exata é a forma mais perfeita da beleza facial?

Eu sou Samara Véras, a Diva da beleza do Dicas Curtas, e semanalmente trago aqui neste podcast informações relevantes sobre os elementos que compõem a atratividade humana e a ciência que há por trás dos procedimentos estéticos, interpretada com sensibilidade e clareza para que você, interessado no universo da beleza, entenda mais sobre as possibilidades que a medicina estética tem a oferecer.

Então para que você não perca nenhuma dica e fique atualizado com todas as informações que estarei compartilhando aqui, basta assinar o podcast e acompanhar todas as semanas a Diva da Beleza do Dicas Curtas.

Vem comigo!

Simetria facial diz respeito à semelhança entre as metades da face, semelhança a ponto de um lado ser tido como a imagem em espelho do outro. Mas em nossa espécie, esse equilíbrio das formas e tamanhos das características de cada metade do rosto nem sempre é perfeito. Você mesmo, já parou pra observar se o lado esquerdo do seu rosto é exatamente igual ao direito?

Na verdade, poucas pessoas são realmente simétricas. Estima-se que apenas 15% da população mundial apresente face simétrica. A maioria apresenta imperfeições anatômicas de origem biológica ou ambiental (por exemplo, se você mastiga mais de um lado, sua face, ao longo de anos vai se tornando mais assimétrica).

O relato mais comum que ouço dos pacientes que vão ao meu consultório é que eles têm sempre um lado do rosto que gostam mais que outro, um lado que sempre sai melhor na foto, principalmente na hora de fazer uma selfie. Hoje em dia, cada um conhece muito bem o seu melhor ângulo, né? O hábito de fazer selfies fez as pessoas se auto-analisarem mais. Se conhecerem mais. Se cobrarem mais também… Algumas assimetrias, por exemplo, antes passavam despercebidas, hoje, com a câmera do celular virada pra nós, enxergamos defeitos mínimos. Muitas vezes, até maximizando-os…

E o fato é que algumas assimetrias incomodam, levam pessoas a buscarem soluções estéticas. Mas, como falei no início, simetria real na face humana é algo muito raro. Então, estamos falando da busca por algo que é exceção, e não a regra? A simetria é realmente fundamental para as pessoas serem consideradas bonitas? Ou existe um grau de assimetria aceitável em que a beleza ainda se sobressaia? Qual é o grau de assimetria capaz de roubar a beleza?

Pra responder a esses questionamentos, alguns estudos sobre percepções de beleza já foram realizados. Um deles, por exemplo, manipulou fotografias, através de aplicativos, e espelhou a imagem de uma das metades da face, construindo uma face perfeitamente simétrica, e comparou as percepções de beleza em relação às fotografias originais, que continham assimetrias. As faces perfeitamente simétricas NÃO foram consideradas as mais belas.

Com esse simples experimento, podemos concluir que assimetria, dentro de determinados limites, não é considerada uma condição anômala, visto que faces assimétricas as vezes agradam até mais que faces completamente simétricas. Mas, há um grau, a partir do qual a assimetria passa a incomodar. Aqui, apontamos a importância da simetria facial, como uma característica, dentre outras, que atua como pista de atratividade e de boa condição física e genética do indivíduo. Portanto, assimetrias muito evidentes falam contra tudo isso.

Quando analiso uma face, busco determinar se o grau de assimetria é importante, a ponto de roubar beleza. Caso me depare com esse grau, procuro identificar se a assimetria é dinâmica ou estática. Isso quer dizer: se a diferença entre os lados da face é observada em repouso, sem que se esteja fazendo expressões faciais/sorrindo/falando, ou se é vista apenas durante estes movimentos. A abordagem entre um caso e outro pode ser completamente diferente.

O estudo de uma face assimétrica deve ser minucioso e profundo. O domínio da anatomia e o entendimento da atividade de cada músculo da face é fundamental para proporcionarmos resultados estéticos o mais próximo da simetria possível.

É importante também pesquisar se a assimetria é constitucional ou se decorre de algum acontecimento ambiental. Um evento relativamente comum, que pode gerar assimetria facial é a paralisia do nervo facial. As pessoas acometidas queixam-se de paralisia ou diminuição da força muscular em uma das metades da face. O quadro geralmente é brusco, e a recuperação gradativa, podendo ser total, ou permanecendo alguma sequela, sendo a principal a assimetria da face.

Como mencionei, diante de um quadro como este, a primeira coisa a se fazer é identificar se a assimetria é apenas às expressões, ou aparece em repouso. Caso note-se ao repouso, as soluções geralmente são por meio de preenchimento e toxina botulínica. Caso sejam apenas na dinâmica, geralmente a toxina botulínica é suficiente. Mas cada caso deve ser exaustivamente analisado a fim de se encontrar os pontos cruciais para a simetria da face.

Por fim, quero reforçar que a busca pela beleza, pelo melhoramento de cada aspecto da face – não apenas da simetria, que abordamos hoje, mas de todos os elementos que discutimos ao longo dos últimos episódios – deve ser uma busca consciente, pautada em expectativas reais, respeitando-se sempre as particularidades que cada face carrega. Devo lembrar que a regularidade excessiva pode irritar nossos sentidos. Muitas vezes, um elemento destoante, uma característica que foge aos padrões de beleza impostos, como uma assimetria sutil, pode ser a característica mais ímpar de determinada face. E nessa singularidade, pode haver muita beleza!

Espero que tenha gostado do episódio de hoje!

Se você gostou curta, comente e compartilhe o Dicas Curtas em suas redes sociais. E caso fique com alguma dúvida, me procura lá no grupo do Diva da Beleza no Facebook, pois estarei à disposição para esclarecer todas elas. Assine e acompanhe esse podcast através do seu dispositivo Apple ou Android, sendo que você também pode encontrar o Diva da Beleza no Spotify e no Deezer.

Sabia que a partir de agora você também pode ajudar o Dicas Curtas a crescer ainda mais fazendo parte do grupo de apoiadores?

Com incentivos a partir de 1 real por mês, você ajudará o Dicas Curtas a alcançar mais pessoas, incluir novos experts, e claro, ter acesso ao grupo de apoiadores no Facebook para receber conteúdos especiais e ter acesso a lives exclusivas para poder tirar suas dúvidas ao vivo com o expert de sua preferência.

Para ser um apoiador basta acessar o site: apoia.se/dicascurtas.

O link vai estar disponível na descrição do episódio!

Ficamos por aqui e até a próxima semana com mais uma dica do <Diva da beleza>!

Até a próxima semana.

Você pode encontrar informações adicionais sobre meu trabalho, cursos que ministro e os procedimentos estéticos da área médica em meu site: www.samaraveras.com.br. Lá existem atalhos que te levam a conhecer de perto muitos procedimentos sobre os quais discuto aqui e, caso interesse, é possível marcar uma consulta.

Pin It on Pinterest

Share This