Quando nós pensamos em infarto vem a cena clássica em que a pessoa sente uma dor insuportável no peito, um aperto no coração que só quem já teve algo parecido consegue descrever a dor e o desespero da sensação de morte iminente. E não é nada bonito ou mesmo desejável ter um tipo de situação desse tipo, concorda? O risco de ter complicações severas e de ter limitações decorrentes dessa situação são praticamente certeiros.

Infarto do miocárdio é a morte de uma parte do músculo cardíaco causada pela ausência da irrigação sanguínea que leva nutrientes e oxigênio ao coração. Esse é um tipo de condição clínica que é construída ao longo de anos de falta de cuidados com a saúde e sua manifestação costuma ser extremamente silenciosa, apesar de ser possível projetá-la: na maioria das vezes, pessoas com condição de saúde mais frágeis (diabetes, hipertensão arterial, obesidade, estresse, depressão e/ou arritmia cardíaca, por exemplo) são as que mais apresentam esse tipo de manifestação em sua saúde. Mas o que isso tem a ver com finanças? Tudo e mais um pouco: a forma como você pode estar conduzindo sua vida financeira pode te levar a ter um infarto financeiro.

O podcast do Investidor Inteligente é apresentado todas as semanas com o propósito de ajudar em seu desenvolvimento financeiro trazendo informações claras e relevantes, orientações e estratégias valiosas para solucionar seus desafios financeiros, te ajudando a ampliar sua visão sobre dinheiro e refinar seu ponto de vista de modo que você possa realizar seus sonhos e construir com bases bem firmes seus resultados.

Eu sou Phillip Souza, planejador financeiro pessoal e terapeuta financeiro, treinador, palestrante e educador financeiro especialista em inteligência financeira, o expert em Finanças e Investimentos do Dicas Curtas. Você me encontra nas diferentes redes sociais através do @phillipsouzabr.

Tenho propósito ousado de te auxiliar a destravar a sua mentalidade e de ajudar a entender que a prosperidade também é para sua vida, provocando desconstrução, reconstrução e transformação da sua mentalidade para que você possa aprender a evoluir e se comportar de forma mais sábia e próspera em relação às suas finanças, transformando-se em um investidor ainda mais inteligente.

Esse e os outros podcasts do Dicas Curtas são gratuitos. Portanto, você pode acompanhar e assinar agora o Investidor Inteligente nas diferentes plataformas de podcast seja através do seu dispositivo Apple ou Android, sendo que você também pode encontrar o Investidor Inteligente pelos apps Spotify ou Deezer. Siga agora para não perder nenhuma dica, ficar por dentro com todas as informações e acompanhar todas as semanas os novos episódios para poder aproveitar bem o seu presente e sempre cuidar do seu futuro!

Ouça “181 Como saber se você pode ter um infarto financeiro?” no Spreaker.

Infarto do miocárdio é a morte de uma parte do músculo cardíaco causada pela ausência da irrigação sanguínea que leva nutrientes e oxigênio ao coração. É o resultado de uma série complexa de eventos acumulados ao longo dos anos, mas geralmente está ligado ao acúmulo de gordura no interior das artérias, ao excesso de açúcar no sangue que danifica as paredes internas das artérias e outras substâncias que se formam nas paredes das artérias. Essas placas podem crescer até entupir a artéria, ou se romper e liberar fragmentos que irão obstruir vasos que levam ao coração, causando o infarto.

Ou seja, é uma condição crônica que pode levar à morte.

Os principais sintomas são:

  • Dor fixa no peito, que pode variar de fraca a muito forte, ou sensação de compressão no peito que geralmente dura cerca de 30 minutos;
  • Ardor no peito, muitas vezes confundido com azia, que pode ocorrer associado ou não à ingestão de alimentos;
  • Dor no peito que se irradia pela mandíbula e/ou pelos ombros ou braços (mais frequentemente do lado esquerdo do corpo);
  • Ocorrência de suor, falta de ar, náuseas, vômito, tontura e desfalecimento;
  • Ansiedade, agitação e sensação de morte iminente.

Uma informação importante é que cerca de 1/3 das pessoas não sente a dor típica do infarto o que pode levar à um diagnóstico tardio e aumentar o risco de complicações.

Não é nosso propósito aprofundar nesse assunto médico, mas sim fazer um paralelo com as finanças.

Contudo, antes de continuarmos, queria destacar uma pesquisa realizada por cientistas sul-africanos: foi detectada uma relação perigosa entre a preocupação com problemas financeiros e a saúde do coração. A angústia causada por questões envolvendo dinheiro pode aumentar em até 13 vezes o risco de uma pessoa infartar. Para chegar a essa conclusão, foram analisados 212 voluntários, sendo que metade já havia sofrido de infarto e a outra metade jamais teve esse problema.

Os participantes responderam um questionário onde detalhavam o que estavam sentindo no mês anterior ao susto. 4 em cada 10 entrevistados reclamou de estresse intenso no mês anterior, e, quando esse sentimento estava relacionado ao trabalho, foi possível verificar um aumento de quase 6 vezes no risco de infartar em comparação com quem estava mais calmo. Foi levado em consideração sentimentos como ansiedade, depressão, estresse e aflição. A complicação cardíaca também tem 3 vezes mais chances de acontecer quando surge a depressão, mesmo que em estágio moderado ou inicial.

Se você quer entender melhor o que é estresse financeiro e se está sofrendo esse tipo de estresse (que pode te levar a ter graves problemas de saúde, inclusive, eventualmente, infartar), sugiro que você escute com muito cuidado o episódio #70. E se você quiser entender como o estresse pode prejudicar a vida de seus colaboradores em sua empresa e como solucionar isso, escute também o episódio #71 (os links estão na descrição do episódio e também na transcrição no blog do Dicas Curtas).

Da mesma forma como um infarto pode ser construído ao longo de décadas de maus cuidados com a saúde e até negligência, você pode estar construindo um infarto financeiro em sua vida e nem sabe.

O que faz com que você tenha uma saúde financeira que vai caminhando de mal a pior?

  • Você ter pouco ou nenhum controle de quanto recebe e muito menos de quanto tem gastado;
  • Você sempre se encontrar endividado e não criar meios para solucionar isso de uma vez por todas;
  • Você nunca construir suas reservas de segurança e viver sempre na corda-bamba do imprevisto;
  • Você sempre viver sufocado pelas altas faturas dos cartões de crédito que faz com que nunca sobre dinheiro e faz com que você passe aperto;
  • Você sempre viver com receitas tão escassas em que qualquer movimento diferente na sua vida financeira pode te levar a se endividar feio;
  • Você realizar várias compras parceladas, seja no cartão ou no crediário, com a filosofia de que depois você se organiza e paga – e acaba se embolando ainda mais;
  • Você jamais realizar investimentos para um futuro mais distante, achando que quando chegar perto ou quando tiver mais dinheiro disponível você resolve isso.

Esses comportamentos parecem similares às questões de saúde, não é?

  • Você nunca bebe água suficiente, fica desidratado e acha que tá tudo certo; quando bebe líquido se entope de refrigerante ou sucos artificiais lotados de açúcar;
  • Você nunca come direito e quando come, tem um paladar infantil, preferindo o que te dá mais prazer, o que está geralmente lotado de gordura, açúcar e sal e pouquíssimos nutrientes essenciais;
  • Você sempre deixa para começar sua rotina de exercício para a próxima segunda-feira; quando ela chega, você empurra com a barriga (que só cresce) para a próxima segunda-feira, afinal, sempre existirá um futuro.

E o que vai sendo construído com esse tipo de atitude? No mínimo um infarto, além de outros problemas de saúde tão graves quanto. E se você precisa melhorar sua saúde, confere dois podcasts aqui do Dicas Curtas: o Cara da Academia e o Super Nutricionista.

E nas finanças, o que estará sendo construído se você não gastar melhor seu dinheiro? Se você não resolver suas dívidas? Se você não realizar reservas, poupanças e investimentos para um futuro que pode chegar? Se ficar sempre apertado, estrangulado com as altas faturas dos cartões de créditos? Além de contas e mais contas decorrentes das compras que você fez sem considerar se realmente podia?

Você acha que a consequência é não sair do lugar? Não… pior que isso: você vai ter problemas financeiros, geralmente muito graves. Podem se manifestar no curto prazo, mas enquanto você tiver saúde física e psicológica você tem pique para resolver: mas quando não tiver o mesmo pique da juventude, vai acabar tendo problemas na saúde financeira e também na saúde física (principalmente por conta de estresse).

E como saber se você está tendo um infarto financeiro?

É lógico que eu fiz um paralelo, mas os principais sintomas que indicam este problema incluem:

  • Dor no lado que se coloca a carteira no bolso por saber que está próximo de estourar todos os limites (dos cartões e do banco) se gastar mais um real naquele mês;
  • Dormência de receitas que leva à exaustão da sua capacidade de sobrevivência no curto e no longo prazo;
  • Paralisia nas decisões por não saber como resolver a situação financeira devido aos sucessivos erros cometidos ao longo dos anos;
  • Mal estar por não saber como contar para o cônjuge a situação complicada que se encontra;
  • Dificuldade para dormir por ficar pensando sucessivamente nos problemas financeiros que acha que não tem solução;
  • Dificuldade para respirar ou respiração rápida pelo medo de ser cobrado pelos credores;
  • Frágil musculatura financeira na forma de pouca ou nenhuma reserva de segurança e reservas para a aposentadoria.

Esses sintomas isolados, e principalmente combinados, indicam que você pode estar à beira de um colapso financeiro.

Ah… você quer a solução do problema…

Mas você já sabe qual é a solução, não?

Tá bom, eu vou repetir a receita e eu espero que você preste atenção a cada um desses itens colocando-os em prática na sua vida, mesmo que seja de forma gradual.

É muita coisa para prestar atenção? Claro que é muita coisa se você ainda não está acostumado. Mas logo que vira hábito você não gasta tanta energia em cada um desses aspectos.

Primeiro ponto: COMECE A FAZER SEU CONTROLE FINANCEIRO. Você e nem ninguém nasceu sabendo fazer isso. Exige prática, exige constância. É bom começar com uma boa ferramenta, mas enquanto testa as ferramentas, se experimenta e se adapta, apenas faça. Não precisa fazer o melhor controle financeiro do universo: apenas comece a registrar o que você ganha e o que você gasta. E não é isso que vai resolver sua vida financeira, que vai te fazer rico – não, não mesmo. Isso vai te trazer consciência de onde podem estar seus gargalos financeiros e emocionais, pois os registros das informações vão permitir que você rastreie seus comportamentos; e só assim, com consciência do que está acontecendo, você poderá tomar decisões mais certeiras sobre sua vida financeira.

Segundo ponto: LIDE DE FORMA OBJETIVA E ENÉRGICA PARA SOLUCIONAR AS DÍVIDAS. Elas não são monstros, não são pessoas. São situações que precisam ser resolvidas. São fases difíceis de um jogo. São batalhas dentro de uma guerra. E vão ser vencidas somente com estratégia, conquistadas uma por vez. Já tratei diversas vezes sobre estratégias para sair de dívidas no podcast. Deixa a preguiça de lado, pesquise na lista dos episódios e escute com atenção, de preferência anotando o que fazer passo-a-passo.

Terceiro ponto: AO RECEBER SEU PAGAMENTO, SEM DÓ NENHUMA, FAÇA UMA TRANSFERÊNCIA DE 10% DO VALOR PARA SUA CORRETORA PARA FORMAR SUA RESERVA DE SEGURANÇA. E se vira com os outros 90% que sobrarem. Se você não tiver essa atitude nunca vai sobrar dinheiro. “Mas Phillip, se eu não consigo viver com 100% da minha renda, eu vou conseguir viver com 90%?”. Você já tentou alguma vez? E se já tentou, por que não conseguiu? A sua solução está nessa resposta. E se nunca tentou, tenta! O risco que você tem é de ter que voltar com o dinheiro que foi separado na corretora para sua conta corrente, geralmente sem custos! E claro, se tiver que fazer isso sabe que tem um problema: ou é excesso de despesas ou dívidas ou são receitas insuficientes. Mas se você não fizer isso nunca vai saber – e pior: nunca vai poupar e nunca vai investir!

Quarto ponto: SE FALTAR DINHEIRO PARA MANTER O RECURSO NA CORRETORA AVALIE ONDE ESTÁ O GARGALO. São despesas que podem ser enxugadas para preservar o capital poupado? São dívidas que precisam ser resolvidas ou renegociadas para melhorar sua qualidade, diminuindo o impacto dos juros? São compras parceladas no cartão e no crediário em excesso que estão estrangulando seu orçamento? Ou você dispõe de uma receita tão pequena que realmente não sobra nada, mesmo que não tenha dívidas, nem compras parceladas e nem excessos?

Despesas já falamos; dívidas também. As compras parceladas devem ser evitadas: em muitos casos é necessário desmamar do cartão de crédito e do parcelamento das compras. É uma ruptura necessária se você quiser deixar de ser uma criança mimada com suas finanças e amadurecer. E, claro, se o gargalo está na falta de receitas, você vai ter que estudar, aprender, conhecer e dedicar tempo e energia (e, se puder, talvez algum dinheiro) para poder aprender a produzir mais dinheiro – hoje existem muitas oportunidades para se aprender a fazer dinheiro com vendas online. Basta procurar no YouTube e gastar seu tempo investigando, estudando, anotando, pensando e assistindo a verdadeiras aulas que existem por lá!

E pra quê isso tudo? Para que você não tenha falta de receitas, para que você possa se sustentar em um bom padrão de vida, para que você possa tomar decisões refletidas e acertadas sobre suas finanças, para que você elimine de vez a doença do endividamento e para que você aumente o seu poder de poupança e investimento para você ir bem além da sua reserva de segurança, construindo sua independência financeira.

Esse é o resumo da solução para você jamais ter um infarto financeiro e nenhum tipo de doença financeira causada por maus hábitos financeiros ao longo de décadas de descuido e negligência. Simples? Sim. Mas não é necessariamente fácil – mas é totalmente necessário.

Cuide bem da sua vida financeira ou sofra as consequências de ter um futuro financeiro pobre, limitado, cheio de necessidades, dependente dos outros (Governo, filhos, parentes ou amigos), com o coração cheio de arrependimento, angústia e amargura por não ter aproveitado bem as dicas que você tem aqui e em outros canais que te provocam a crescer e ser ainda melhor do que você já é!

Pare um pouco e reflita bem sobre o que eu disse nesse episódio.

Que Deus possa te iluminar e te abençoar imensamente! Aqui é Phillip Souza, e esse é o podcast dOInvestidor Inteligente!

Investidor Inteligente do Dicas Curtas

 

Pin It on Pinterest

Share This