Neste episódio quero falar sobre o consumo de proteínas e a possibilidade de dano renal

Existe uma tese de que uma dieta rica em proteínas aumenta a concentração de uréia, a qual é filtrada, reabsorvida e secretada pelos néfrons (estruturas presentes nos rins que efetivamente realizam a filtração do sangue para formação da urina). Porém, a tese alega que em excesso aumentaria a carga renal devido a hiperfiltração, o que poderia acarretar no dano glomerular ou a uma insuficiência renal.

Mas será que esta tese é verdadeira e realmente o consumo elevado de proteínas acarreta dano a função renal?
Ouça este episódio e descubra.

Eu sou Louis Marcondes, o expert em Nutrição do Dicas Curtas e semanalmente trago aqui neste podcast, várias dicas e informações para ajudar você a se alimentar melhorar, melhorando assim sua saúde, estética e bem-estar. Então para que você não perca nenhuma dica e fique atualizado com todas as informações que estarei compartilhando aqui, basta assinar o podcast e acompanhar todas as semanas o Expert em Nutrição do Dicas Curtas

Sendo assim, vamos abordar os seguintes pontos:

  • O consumo de proteínas é essencial
  • Balanço nitrogenado
  • Balanço nitrogenado neutro
  • Balanço nitrogenado positivo
  • A tese do consumo de proteínas e dano renal
  • Albumina, um marcador de dano renal
  • Efeito inexistente do consumo elevado de proteínas e dano renal

Ouça agora este podcast!

Ouça “017 O consumo de proteínas e o dano renal” no Spreaker.

O consumo de proteínas é essencial

O acesso a alimentos de qualidade adequada para manter a composição normal do corpo assim como a sua função ao longo do ciclo de vida são fundamentais para manter a saúde. E o consumo de proteínas é um elemento essencial de uma dieta saudável, permitindo o crescimento e a manutenção das 25.000 proteínas codificadas no genoma humano, bem como outros compostos nitrogenados, que juntos formam o sistema dinâmico do corpo formado de elementos estruturais e funcionais que trocam nitrogênio com o meio ambiente.

Para facilitar a compreensão sobre esta troca de nitrogênio vou falar um pouco mais sobre para ficar mais fácil.

Balanço nitrogenado

O balanço nitrogenado pode ser uma ferramenta útil para determinar a quantidade de proteína que um indivíduo deve consumir para manter o equilíbrio de nitrogênio neutro ou positivo, dependendo dos objetivos nutricionais.

Por exemplo, se o objetivo for apenas se manter saudável, estar em balanço nitrogenado neutro já é suficiente. Porém se o objetivo for desenvolver massa muscular, será necessário estar em balanço nitrogenado positivo.

Balanço nitrogenado neutro

Adultos saudáveis ​​estão em um balanço nitrogenado neutro precisam consumir cerca de 0,8 gramas de proteína por kilo de peso corporal. Isto para compensar as perdas de nitrogênio que acontecem devido a fatores como suor, descamação da pele, crescimento de pelos e unhas, respiração, flatulência e, se presente, perdas salivares e menstruação.

Para ilustrar, para se manter saudável uma mulher de 60 Kg, ela precisa de 48g de proteínas por dia. Isto é facilmente atingível, se ao longo do dia ela comer 200g de alguma carne, 100g no almoço e 100g no jantar, ela já estará em balanço nitrogenado neutro e assim conseguirá se manter saudável do ponto de vista do consumo de proteínas

Importante estar no mínimo em balanço nitrogenado neutro, pois se o balanço for negativo, ou seja, a pessoa consumir menos nitrogênio por meio de proteínas, do que o nitrogênio que ela é capaz de excretar. A pessoa estará em um estado catabólico, ou seja, o que pode sugerir que seu organismo esteja usando as próprias reservas de proteínas para sobreviver, uma situação que acontece decorrente de desnutrição (em pacientes hospitalizados, por exemplo)

Balanço nitrogenado positivo

Já se o balanço de nitrogênio for positivo, a proteína presente no corpo está em um estado anabólico. Isso poderia ser um indicativo de que o indivíduo possa estar produzindo mais massa muscular. É aqui que muita gente erra quando pratica musculação, realiza o exercício mas se não comer a quantidade necessária de proteínas para se manter em balanço nitrogenado positivo, ela não conseguirá construir massa muscular

A recomendação que citei acima de 0,8 gramas por kilo e peso, é uma recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS). No entanto, o consumo de proteínas maiores que 1,2 g/kg de peso corporal promovem maior hipertrofia muscular durante os períodos de musculação, além de otimizar o emagrecimento, e também na preservação da massa muscular durante o emagrecimento. Preste bem atenção no que acabei de falar, proteínas são fundamentais no emagrecimento. Muitos na tentativa de emagrecer consomem poucas proteínas e assim adquirem flacidez e perdem o benefício que a proteína promove que é o efeito de aumento da saciedade

 Sabemos também que idosos também são beneficiados ao terem uma ingestão alta de proteínas devido a sarcopenia, que é uma perda natural da massa muscular em decorrência do envelhecimento. Mesmo diante de tantos benefícios, existe quem defenda a tese de que o consumo elevado de proteínas prejudica os rins, e provavelmente você já deve ter ouvido sobre isto.

A tese do consumo de proteínas e dano renal

A tese é que uma dieta rica em proteínas aumenta a concentração de uréia, a qual é filtrada, reabsorvida e secretada pelos néfrons (estruturas presentes nos rins que efetivamente realizam a filtração do sangue para formação da urina). Porém, a tese alega que em excesso aumentaria a carga renal devido a hiperfiltração, o que poderia acarretar no dano glomerular ou a uma insuficiência renal.

Em pacientes com doença renal crônica, com a capacidade de filtrar os solutos reduzida nos néfrons, ter um consumo mais baixo de proteínas parece ser o mais adequado No entanto, é com base na hipótese acima mencionada que alguns argumentam que ao aumentar a ingestão de proteína em indivíduos saudáveis sem doença renal crônica levará a danos nos rins. Tal hipótese persiste apesar de não haver evidências que apontem a ligação entre o aumento da ingestão de proteínas e um papel causal no dano renal em indivíduos saudáveis.

Isto mesmo, não há evidências que apontem que o consumo de proteínas aumenta o dano renal.

Em 2018 foi publicada uma meta-análise na The Journal of Nutrition. Os pesquisadores localizaram 2144 artigos na Biblioteca Nacional de Medicina dos EUA (a MEDLINE), dos quais 28 foram elegíveis.

Esta revisão sistemática e meta-análise incluíram ensaios examinando o efeito de uma dieta rica em proteínas em comparação com uma dieta normal em proteínas em relação ao impacto na taxa de filtração glomerular.

Albumina, um marcador de dano renal

Porém, outros marcadores podem ser avaliados. Um exemplo, é a taxa de excreção de albumina, usada como um marcador de dano renal, e, portanto, se o consumo de uma dieta hiperproteica estiver induzindo danos ao rim você esperaria ver um aumento na excreção da albumina. Dos 8 ensaios que relatam sobre os efeitos de uma dieta hiperproteica em comparação com uma dieta normoproteica e a relação com a excreção de albumina, apenas 1 ensaio descobriu que uma dieta hiperproteica aumentou a taxa de excreção de albumina.

Os outros ensaios não encontraram diferença na mudança na excreção de albumina entre dietas hiperproteicas ou normoproteicas. Essas descobertas mais uma vez sugerem que consumir uma dieta hiperproteica não afeta negativamente a função renal em pessoas saudáveis.

Efeito inexistente do consumo elevado de proteínas e dano renal

Após análise, os resultados da meta-análise sugerem um efeito inexistente do consumo elevado de proteínas e dano renal em indivíduos que apresentam função renal normal. Esta alegação está de acordo com os pareceres da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Institute of Medicine.

Sendo assim, há completa segurança no consumo de proteínas por pessoas sem doença renal pré-existente e podem ficar despreocupadas quanto à hipótese de terem dano renal devido a comerem mais proteínas. Uma dica, normalmente alterações na função renal estão associadas a negligência no consumo de água, procure tomar 40 ml de água para cada Kilo de peso, ou seja, uma pessoa de 75Kg precisa consumir pelo menos 3 litros de água por dia.

Espero que tenha gostado do episódio de hoje!

Se você gostou curta, comente e compartilhe o Dicas Curtas em suas redes sociais. E caso fique com alguma dúvida, me procura lá no grupo do <Nome do Expert> no Facebook, pois estarei à disposição para esclarecer todas elas. Assine e acompanhe esse podcast através do seu dispositivo Apple ou Android, sendo que você também pode encontrar o <Nome do Expert> no Spotify e no Deezer.

Sabia que a partir de agora você também pode ajudar o Dicas Curtas a crescer ainda mais fazendo parte do grupo de apoiadores?

Com incentivos a partir de 1 real por mês, você ajudará o Dicas Curtas a alcançar mais pessoas, incluir novos experts, e claro, ter acesso ao grupo de apoiadores no Facebook para receber conteúdos especiais e ter acesso a lives exclusivas para poder tirar suas dúvidas ao vivo com o expert de sua preferência.

Para ser um apoiador basta acessar o site: apoia.se/dicascurtas.

O link vai estar disponível na descrição do episódio!

Ficamos por aqui e até a próxima semana com mais uma dica do <Nome do Expert>! Até a próxima semana.

Pin It on Pinterest

Share This