Ouça agora este podcast!

“150 Em quanto tempo meu capital vai dobrar?”

Já se deparou com a seguinte situação? Você começa a investir. Daí começa a entender que quando se trata de investimentos, três ingredientes são necessários: dinheiro, taxa e tempo (inclusive, se você quiser mais detalhes sobre isso, escute o podcast #102, A Receita da Fortuna).

Você olha o dinheiro que dispõe, observa a taxa média do tipo de investimento que mais se encaixa com suas necessidades atuais e bate aquela dúvida ou curiosidade: em quanto tempo o dinheiro que estou investindo deve dobrar?

Aí você vai em busca de soluções através da matemática financeira: e dali você se depara com equações, fórmulas matemáticas, com exponenciação… e, se você não tem muita facilidade com números, você acaba desanimando e deixando para lá.

Só que nesse podcast eu vou te mostrar como resolver esse desafio de uma maneira super simples, que talvez não gaste nem 30 segundos para encontrar a solução, sem calculadora financeira e sem planilha; talvez só a calculadora básica, de seu smartphone.

Você está escutando o podcast do Investidor Inteligente; todas as semanas você pode nutrir a sua vida financeira com informações gratuitas de qualidade, apresentadas de forma bastante harmônica, lançando luz sobre diversos assuntos relacionados à finanças e investimentos.

Eu sou Phillip Souza, palestrante, consultor e educador financeiro especialista em finanças pessoais e desenvolvimento humano, o expert em Finanças e Investimentos do Dicas Curtas; tenho o importante desafio de te auxiliar na tarefa de provocar evolução em seu comportamento a partir da desconstrução, reconstrução e transformação da sua mente para que você possa ampliar sua percepção, aprender, evoluir e se comportar de forma mais sábia e próspera em relação às suas finanças, transformando-se em um investidor ainda mais inteligente.

Esse e os outros podcasts do Dicas Curtas são gratuitos. Portanto, você pode seguir e assinar agora o Investidor Inteligente nas diferentes plataformas de podcast em seu smartphone para ficar por dentro com todas as informações, não perder nenhuma dica e acompanhar todas as semanas os novos episódios para poder usar bem o seu dinheiro no presente e investir pensando no futuro!

Poxa Phillip, que mágica matemática é essa que você está prometendo que não vai demorar nem 30 segundos para eu saber quando que o capital que estou investindo à uma taxa que eu já saiba vá dobrar?”, você pode estar se perguntando.

Essa é uma equação matemática extraída da fórmula de juros compostos, que eu prefiro chamar de equação de juros compostos – “fórmula” é para química; matemática é equação. Talvez você conheça, talvez não, mas você vai encontrar pela internet afora com o nome de “A Regra dos 72”.

E aí, o quê que é isso? Vamos dar um exemplo bem prático para você já compreender e a gente continuar detalhando o funcionamento dessa equação matemática.

A Regra dos 72

Digamos que você tenha R$10.000 e tenha um investimento que rende em média 6% ao ano. Em quanto tempo esse dinheiro dobra? Basta dividir 72 pela taxa, nesse caso, 6% ao ano. 72 dividido por 6 é igual a 12. Ou seja, um capital de R$10.000 aplicado à taxa constante de 6% ao ano dobra (ou seja, se torna R$20.000) em 12 anos.

Vamos dar outro exemplo: digamos que você tenha R$5.000 e um investimento que possa trazer, em média, um retorno de 5% ao ano. Em quanto tempo esse capital dobra, se torna R$10.000? Faz aí na sua calculadora. Pausa a reprodução desse podcast e volta aqui para aprofundarmos nos diferentes usos da regra, nos limites e nos possíveis usos práticos dessa equação na sua vida.

[…]

Se você fez o cálculo, ou seja, dividiu 72 por 5, encontrou 14,4. O que isso significa? Que para um capital de R$5.000 dobrar estando aplicado à uma taxa constante de 5% ao ano, vai demorar 14,4 anos, aproximadamente 14 anos e 4 ou 5 meses.

Eu cumpri a minha promessa: provavelmente, a partir de agora, em menos de 30 segundos você ter uma noção de quando o seu dinheiro dobra a partir de determinada taxa. E agora eu quero pontuar algumas coisas importantes.

Diferentes usos da Regra dos 72

Além de saber em quanto tempo o seu capital dobra a partir do uso da Regra dos 72 você também pode usar a equação para saber à qual taxa é necessário um capital dobrar a partir de determinado tempo.

Por exemplo: para um capital dobrar em 5 anos qual é a taxa que é necessária obter ao longo desse período? Simples: 72 dividido por 5 é igual à 12; ou seja, para um capital dobrar em 5 anos é preciso ter um investimento que renda, pelo menos, 12% ao ano.

Dá para usar isso ao mês? Também dá. Por exemplo: se um capital for aplicado à taxa de 0,50% ao mês em quanto tempo ele vai dobrar? 72 dividido por 0,5 é igual a 144. Ou seja, à uma taxa constante de 0,50% ao mês um capital dobrará em 144 meses, que dá 12 anos (144 dividido por 12 é igual à 12).

As premissas de taxa e de tempo (se dia, se mês, se ano) você pode determinar e encontrar rapidamente a solução para essa questão.

Contudo, a Regra dos 72 não vale só para investimento. A Regra dos 72 também pode ser aplicada à dívidas. No caso das dívidas as taxas são bem maiores. Por exemplo, se você tem uma dívida de R$1.000 à taxa de 8% ao mês (que é a taxa média de cheque especial atualmente) em quanto tempo ela dobra? 72 dividido por 8 é igual à 9 – os R$1.000 de dívida dobra em 9 meses, se a taxa for de 8% ao mês.

Essa regra tão simples pode te trazer uma noção muito boa em relação aos resultados tanto de investimentos quanto de dívidas sem ter que ficar fazendo cálculos complexos e mirabolantes. Bastante útil e prático, não é?

Mas essa regra tem limites de uso.

Limites da Regra dos 72

A Regra dos 72 é uma equação de APROXIMAÇÃO MATEMÁTICA. Se você usar uma calculadora financeira vai perceber que o resultado não sai o valor certinho, redondo. Por exemplo: na primeira ilustração dessa regra, eu disse que para um capital dobrar à taxa de 6% ao ano são necessários 12 anos. Usando R$5.000 como capital inicial, após 12 anos de investimento à taxa de 6% ao ano o resultado exato é de R$10.060,98. Em outros cálculos que você fizer, lembre-se disso: ao usar a Regra dos 72 você não tem o valor exato – você terá uma aproximação. Isso vale para dívidas e isso vale para investimentos, conforme já expus a aplicação.

Outro ponto que a Regra dos 72 não contempla é em relação aos aportes regulares, como aportes mensais. Por exemplo, se você quiser realizar um cálculo para saber em quanto tempo seu capital dobra se aplicar X reais por mês, até onde eu saiba, vamos ter que usar a equação de pagamentos na matemática financeira. Se eu aprender alguma forma mais simples sobre esse cálculo eu produzo um podcast no futuro; ou se você souber alguma equação super simplificada que contemple essa questão, comente nas redes sociais, seja na postagem referente à esse episódio no Instagram do @dicascurtas ou na fanpage do Investidor Inteligente no Facebook.

Poxa, essa Regra dos 72 foi bem bacana, hein, Phillip? E eu gostaria de fazer um planejamento de investimento com você ou queria trazer esse conhecimento para meus colaboradores na minha empresa; como que te encontro, Phillip?

É muito simples: você pode me encontrar através das redes sociais (como o Instagram ou o Facebook) através do @phillipsouzaBR; se preferir, também pode acessar meu site www.PhillipSouza.com.br e me enviar um e-mail com sua demanda ou mesmo uma mensagem no WhatsApp.  Vai ser um prazer atender sua demanda específica, seja um trabalho de orientação ou consultoria para sua vida financeira pessoal ou em seu negócio ou empresa, no formato de palestras e treinamentos, tanto na área de finanças pessoais quanto em desenvolvimento humano.

Usos práticos da Regra dos 72

Beleza, que bacana, muito simples o uso dessa regra! Saber rapidamente quando que o capital dobra, seja para dívidas ou investimentos, amplia e agiliza bastante a nossa tomada de decisão em relação ao nosso dinheiro.

Mas agora eu vou te conduzir à algumas reflexões práticas importantes usando essa regra.

Anti-pirâmide financeira

Você já deve ter visto ou ouvido e até ter sido convidado para uma oportunidade de negócio ou investimento mirabolante, que promete rentabilidades muito altas em um curtíssimo espaço de tempo; eu tenho certeza que você consegue puxar rapidamente na sua memória mais de um exemplo com esse tipo de conversa.

Saber da Regra dos 72 pode te tirar de muitas furadas. Tratei exaustivamente disso nos episódios 96 e 99, se quiser conferir, mas muitas pirâmides financeiras travestidas de marketing multinível (ainda mais nessa época com as possibilidades dos criptoativos, opções binárias e também de FOREX) costumam prometer garantias de rentabilidade elevadíssimas. Não é incomum encontrar ofertas como “ganhar 1% ao dia” ou “20% ao mês” e coisas do tipo. O problema está na garantia de rentabilidades expressivas.

Lembre-se: quanto maior o risco, maior o potencial de retorno. Só que o retorno pode ser positivo ou negativo. Invertendo o raciocínio: quanto maior a possibilidade de retorno, maior o risco. Ou seja, rentabilidades elevadas significa risco elevado. Podem existir exceções? Podem. Mas quem souber provavelmente não vai contar.

Agora que você já sabe da Regra dos 72 vamos fazer umas contas. Em quanto tempo um capital dobra se ele estiver trazendo um retorno de 1% ao dia? Essa é bem fácil: 72 dividido por 1 é igual a 72. Ou seja, em quase 2 meses e meio (2 meses e 12 dias para ser preciso) um capital aplicado sobre essa taxa dobra. Tratando-se de investimentos financeiros ou isso é muita sorte ou isso é mágica! Mesmo traders de curto prazo experientes (day-traders, swing-traders) que especulam com derivativos financeiros ou agrícolas (que é bastante arrojado, pois envolve alavancagem) costumam não alcançar tamanha taxa de sucesso em tão pouco tempo. SE (ou seja, não existe garantia), e somente se, esse tipo de trader conseguir dobrar o capital em um ano, o profissional é muito bom! Como gosto de brincar: o cara é ninja!

Aí vem um fulano e me fala que posso ganhar 1% ao dia com garantia. Vamos estender o raciocínio? Imagina que nesse exemplo você possui R$10.000 e investe nessa proposta. Se nos primeiros 2 meses e meio o capital dobra (vai para R$20.000), com mais 2 meses e meio o capital dobrou de novo (vai para R$40.000), e com mais 2 meses e meio o capital dobrou de novo (vai para R$80.000), e com mais 2 meses e meio o capital dobrou mais uma vez (vai para R$160.000), e com mais 2 meses e meio o capital dobrou novamente (vai para R$320.000). Ou seja, nessas condições, em aproximadamente 12 meses você saiu de R$10.000 e alcançou R$320.000 teoricamente sem risco.

O meu silêncio nesse momento é para você refletir sobre essas propostas…

[…]

Ou é muita sorte (tipo jogar na loteria e acertar a Quina – nem precisa ser MegaSena) ou tem algo muito errado nessa história…

Qual outro uso prático que podemos ter com a Regra dos 72?

Planejamento de Longo Prazo

A Regra dos 72 pode ser usada para planejamento de longo prazo. Por exemplo: é muito comum pais quererem investir pensando no futuro dos filhos, principalmente em relação à educação. “Quando meu filho fizer 18 anos ele vai poder ter um dinheiro X para começar a vida, fazer uma faculdade, ou comprar um carro”, desejos do tipo para a criança.

Aí os pais têm um dinheiro (tipo R$20.000) que gostariam de aplicar durante esse período todo. Vamos dizer que conseguíssemos a taxa constante de 6% ao ano; não é nada arrojado, mas também nada ultraconservador. Qual vai ser o volume financeiro daqui 18 anos? A gente já sabe que 72 dividido por 6 é igual a 12; portanto, depois de 12 anos os R$20.000 se tornam R$40.000; para R$40.000 dobrar seriam necessários mais 12 anos (o filho teria 24 anos, nesse caso), mas estamos mirando em 18 anos, que é metade do tempo (12 dividido por 2 é igual a 6). No primeiro ciclo o capital dobra (de R$20.000 vai para R$40.000) e no segundo ciclo ao invés de capitalizar o dobro (mais R$40.000) ele cresce apenas a metade. Aos 18 anos, portanto, os R$20.000 aplicados teriam se tornado algo próximo de R$60.000. Não é um milhão de reais, mas já é um bom começo para qualquer jovem.

Mas o que geralmente acontece? “Ah… a gente tem esse dinheiro aqui, mas vamos fazer a festinha de 1 ano para a criança!”. E faz a festa; usa os R$20.000 todo ou quase todo. Aí começa a tarefa de juntar novamente os R$20.000. A criança completa os 6 anos de idade e os pais têm novamente os R$20.000 para aplicar para o futuro dela (isso é, se já não tiverem outro filho na família).

O que já percebemos aqui? Com as premissas anteriores (taxa de 6% ao ano), os R$20.000 não vão se tornar R$60.000 – no máximo podem vir a se tornar R$40.000. Aí inventa de ir para a Disney porque tem que ir para a Disney enquanto ainda é criança. E vai lá e gasta novamente os R$20.000 (ou mais) que era para o futuro do filho.

O filho completa 12 anos, e se é que os pais conseguem, juntam novamente os R$20.000 e aí sim decidem aplicar o dinheiro (naquelas mesmas premissas, de 6% ao ano); o que era para se tornar R$60.000 talvez chegue somente próximo à R$30.000, se chegar.

Percebe que vai ficando cada mais difícil se determinadas decisões não forem tomadas com consciência e assertividade? O recurso que poderia ajudar o filho no início da vida talvez não exista devido a decisões mal feitas.

Veja bem: eu não sou contra festas de criança, não sou contra viagens que podem ser sonhos. O que quero ressaltar é: as ações de hoje podem produzir consequências bem grandes no futuro, para bem ou para mal. A forma como você vai levar a sua vida, como talvez vá corrigir alguma situação ao longo do caminho é contigo. Mas às vezes determinados problemas e frustrações podem ser evitados.

E assim fechamos esse episódio: aprendemos a usar e aplicar a Regra dos 72, sabendo que ela se trata de uma aproximação matemática e que não cabe usá-la para simulações com aportes regulares. Além disso, ela pode nos dar uma ideia do desempenho do investimento bem como do poder de estrago das dívidas. E entendemos duas aplicações bem práticas no uso dessa regra: um mecanismo anti-pirâmide financeira e uma estratégia de planejamento de longo prazo, usando essa simples equação matemática.

Você pode extrapolar nas aplicações dessa equação, pensando em outras possibilidades que caibam o uso da Regra dos 72 – só tome cuidado com as generalizações e lembre-se das ressalvas feitas nesse podcast, principalmente em relação aos limites de uso dessa Regra, ok!?

O podcast do Investidor Inteligente também pode ser um pouco seu! Acesse a transcrição no blog do Dicas Curtas caso queira deixar algum comentário para esse episódio! E você também pode participar mais fazendo a mesma coisa encontrando a postagem no perfil do Dicas Curtas tanto no Instagram (siga @dicascurtas) quanto na fanpage dO Investidor Inteligente no Facebook. Aproveita para seguir o perfil, curtir a página e as postagens, marcar seus amigos e compartilhar com eles o que você está aprendendo aqui!

Caso queira, você também pode participar da comunidade exclusiva do Investidor Inteligente no Facebook, expondo suas dúvidas, dando suas sugestões de novos temas e apresentando postagens que agreguem à comunidade: para manter o grupo saudável, só não vale postar spam e nem publicidade, ok?!

Todos os links estão na transcrição no blog e na descrição dos episódios.

Assine agora e acompanhe esse podcast através do seu dispositivo Apple ou Android, sendo que você também pode encontrar o Investidor Inteligente pelos apps Spotify ou Deezer.

Aproveite bem a sua semana, aproveite bem o seu tempo e aproveite bem as oportunidades que a vida te oferece. Cuide bem de você, de sua família e de suas finanças! Que Deus te abençoe!

Aqui é Phillip Souza, o Investidor Inteligente!

Investidor Inteligente do Dicas Curtas

Pin It on Pinterest

Share This