Ouça agora este podcast!“054 Estratégias para Alcançar a Independência Financeira – parte 1”

Quando os amigos estão falando de dinheiro ou o assunto são as dívidas, ou são as coisas que compraram ou pode ser aquilo que estão fazendo para construir sua independência financeira. Nesse episódio vou apresentar uma definição do que é independência financeira e também apresentar as duas primeiras grandes habilidades para alcançar essa tão sonhada meta.

Eu sou Phillip Souza, o expert em Finanças e Investimentos do Dicas Curtas e semanalmente trago aqui neste podcast, várias dicas e informações para ajudar a fazer com que você use bem o seu dinheiro para alcançar seus objetivos de forma financeiramente saudável com foco em qualidade de vida transformando-se em um investidor inteligente.

Para você não perder nenhuma dica e ficar atualizado com todas as informações que estarei compartilhando aqui, basta assinar gratuitamente o podcast e acompanhar todas as semanas o Investidor Inteligente do Dicas Curtas.

 

Conceitos

Antes de falarmos sobre as estratégias para alcançar a independência financeira, eu gostaria de definir melhor alguns conceitos: estratégia e independência financeira.

O primeiro conceito que vamos definir é sobre a palavra estratégia. Na sua origem, a palavra estratégia estava estritamente relacionada com a arte de fazer guerra; hoje, contudo, possui vários significados e é um conceito que está presente em vários contextos: em sentido figurado, uma estratégia normalmente é estipulada para ultrapassar algum problema, e nestes casos pode ser sinônimo de habilidade, astúcia ou esperteza. Vamos tratar estratégia como habilidade.

O segundo conceito trata-se da expressão independência financeira. De maneira mais direta, independência financeira significa que você não depende mais da obtenção de recursos financeiros para a manutenção da sua vida, da sua sobrevivência. O jogo do dinheiro foi vencido, pois você sempre tem recursos suficientes (ou mais que suficientes) para a manutenção da sua vida em todas as áreas: alimentação, transporte, moradia, educação, lazer, saúde, telecomunicação, vestuário. O que é importante destacar aqui é: independência financeira não tem nada a ver com ostentação. Trata-se apenas de vencer o jogo do dinheiro e usar seu tempo e energia da maneira que bem entender, talvez para fazer mais dinheiro, talvez para ajudar outras pessoas, talvez para transmitir seus aprendizados de vida – isso quem pode e vai decidir é você.

 

As 4 grandes habilidades financeiras

Então, de forma resumida, estamos falando de habilidades para vencer o jogo do dinheiro. E quais seriam essas habilidades? São basicamente 4 grandes habilidades: ganhar dinheiro (que prefiro chamar de “fazer dinheiro”, mais para frente nesse podcast vou explicar o porquê), gastar dinheiro, economizar dinheiro, investir dinheiro.

Se você quiser, pode acessar o meu site (www.PhillipSouza.com.br) ou procurar meu canal do YouTube (clique aqui) em que conduzo uma sessão experimental gratuita de coaching financeiro, chamada de Giro Financeiro. Você poderá realizar uma avaliação subjetiva sobre como você entende que está seu desenvolvimento em cada uma das 12 principais habilidades que compõem as 4 grandes áreas de desenvolvimento para alcançarmos a independência financeira: ganhar dinheiro, gastar dinheiro, economizar dinheiro, investir dinheiro. Se depois dessa sessão experimental você quiser dar continuidade ao processo de coaching, basta entrar em contato comigo para obter mais detalhes sobre o processo, valores, forma de realização das sessões, e qualquer outra informação que quiser saber através dos meus contatos em meu site.

 

GANHAR/FAZER DINHEIRO

Vamos falar de ganhar dinheiro.

Parece meio óbvio (e até é), mas é importante ser dito: independência financeira não existe sem ter recursos financeiros – a menos que você viva em uma sociedade em que não existam trocas e que tudo seja igualitário de verdade. Portanto é necessário ter dinheiro para se construir a sua independência financeira.

Conforme você deve saber, para a maioria das pessoas a independência financeira começa com a obtenção de um Rendimento Principal. Ou seja: é necessário que você trabalhe em troca de uma remuneração. Geralmente esse recurso financeiro, esta receita, é destinada à sua manutenção ou à manutenção da sua família (e, se você for casado, em um planejamento entra tanto a sua renda como a do seu cônjuge, a menos que tenha uma abordagem alternativa sobre como lidar com suas finanças). O ideal é que essa receita cubra todas as despesas que você tem e, ainda, você poupe no mínimo 10% que será destinado aos investimentos. Esse tipo de renda pode crescer a partir da melhoria em sua qualificação profissional (certificações, cursos técnicos, graduação, pós, etc.) que pode proporcionar novas oportunidades profissionais e, provavelmente, melhores salários e/ou remunerações.

Muita gente estrutura uma vida em torno apenas no Rendimento Principal. Dependendo do seu apetite, dependendo do seu desejo e também das suas condições, pode ser interessante ter outro tipo de rendimento, ou não – lembre-se que não existe fórmula pronta: quem vai decidir é você. Esse outro tipo de rendimento é o Rendimento Extra. Esse tipo de recurso é proveniente de atividades que não sejam sua atividade principal. Podem ser aulas particulares, ganhos em negócios de marketing multinível, negócios comissionados fora da atividade principal, ganhos através de compra e venda de alguma coisa (carro, imóvel, ações, etc.). A lista de atividades possíveis é enorme e depende da sua vontade em que quer empreender ou desenvolver. O ideal é que toda forma de Rendimento Extra seja destinada aos investimentos, para dar uma turbinada; contudo, existem situações e determinados casos que o Rendimento Extra pode ser utilizado para complementar o Rendimento Principal. Vale atentar, porém, que se você realmente tem o desejo de alcançar a sua independência financeira, de vencer para sempre o jogo do dinheiro, é essencial ter um padrão de vida mais enxuto: quanto menos despesas com manutenção de sua vida tiver, mais dinheiro sobra para poder investir e fazer o bolo crescer.

E, por fim, temos mais um tipo de renda: o Rendimento Passivo. Esse tipo de rendimento não depende da sua atividade, da sua atuação direta. É aquele rendimento que você criou e, não importa o que aconteça, ele pinga em seu bolso. Podem ser royalties de livros, franquias, direitos autorais, aluguéis, aposentadoria, previdência. Deixa te contar a métrica condicional desse rendimento: se o seu rendimento passivo é igual ou maior que as suas despesas totais você alcançou a sua independência financeira.

Então, basicamente, o foco é: 1) trabalhar, poupar e investir; se possível, 2) aumentar a renda e investir o recurso excedente; investir e/ou criar novos negócios para 3) gerar rendimento passivo e alcançar a independência financeira. Observe: em todas as três formas de rendimento investir tem tudo a ver, portanto: independência financeira só é construída com recurso financeiro e com investimento.

Para fecharmos esse assunto, eu disse que iria esclarecer sobre a diferença entre Ganhar Dinheiro e Fazer Dinheiro. É uma diferença conceitual simples que muda a sua disposição e a sua relação sobre esse aspecto. Aqui no Brasil geralmente falamos assim “eu preciso ganhar dinheiro”. Ganhar implica que alguém vai te dar – seja pessoa ou instituição – sem que haja algum esforço da sua parte. E nós sabemos que não é bem assim que as coisas funcionam. Fazer dinheiro, por outro lado, não tem nada a ver com imprimir dinheiro – que é ilegal: tem a ver com você executar ações para conquistar os recursos financeiros que precisa ou deseja. Essa ideia, essa semântica vem dos estadunidenses: lá eles falam “make money” que, em uma tradução livre, significa fazer dinheiro. Essa mudança de paradigma é importante, pois ganhar dinheiro implica em uma atitude passiva (com tendência à vitimização) enquanto fazer dinheiro implica em uma atitude ativa (com indicação de auto responsabilidade).

 

GASTAR DINHEIRO

Vamos falar de Gastar Dinheiro.

 Gastar dinheiro todo mundo sabe fazer. Basta ter dinheiro na mão. Mas gastar bem o dinheiro já é outra história. Em vários podcasts do Investidor Inteligente do Dicas Curtas e em várias informações espalhadas pela internet esse assunto sempre está em voga. E, em uma economia capitalista, nós precisamos gastar bem nosso dinheiro para podermos sobreviver e também usá-lo de forma a ter qualidade de vida.

O primeiro ponto sobre essa grande habilidade é tratarmos das Despesas Pessoais/Familiares. Essas são as despesas necessárias para a sobrevivência e/ou qualidade de vida de uma pessoa ou família. O somatório dessas despesas deve ser menor que o somatório do Rendimento Principal, senão acabam acontecendo dívidas. Aqui entram as diversas fontes de despesas: alimentação, moradia, transporte são as categorias mais essenciais; mas também temos outras despesas (que podem ou não ser essenciais dependendo da fase da sua vida e da sua estrutura familiar) que são educação, saúde, vestuário, lazer, telecomunicação. E dentro de cada categoria existe uma infinidade de subcategorias possíveis que você pode definir para controlar melhor o seu dinheiro. Assim como fazer dinheiro suficiente é importante, gastar e gerir, controlar bem para onde o seu dinheiro está indo é essencial.

Outro ponto sobre gastar dinheiro está relacionado às Contribuições. Isso tem a ver com o quanto você ajuda as outras pessoas ou organizações que se ocupam em ajudar os outros em seu lugar. Talvez você nunca tenha pensado sobre esse aspecto, mas eu te convido a me acompanhar. Quando você contribui com os outros você manda uma mensagem poderosa para sua mente inconsciente sobre abundância. Você é capaz de fazer dinheiro, pagar suas contas, seu custo de vida, investir e ainda contribuir para melhorar a vida de outras pessoas ou ajudar em alguma causa que você tenha afinidade. Isso é poderoso, pois a contribuição feita de coração, com desprendimento, costuma provocar gratidão. E a gratidão, além de fazer um bem danado para seu corpo e para sua mente, é transmitida através da subcomunicação (expressões faciais, tom de voz, forma de mexer o corpo, etc) e isso tende a fazer com que você se torne, inconscientemente, uma pessoa melhor – e todo mundo gosta de conviver, fazer negócios, se relacionar com pessoas melhores. E, claro, esse aspecto não precisa estar necessariamente envolvido com o financeiro, se você não puder; mas se você puder, faça – transmita a mensagem de gratidão e não a mensagem de avareza.

E por fim, temos a Previdência. Tá, mas previdência não tem a ver com investimento? Sim, tem. Contudo, esse é um tipo de investimento que você deve tratar como despesa. Para você ter rendimento passivo você tem que criar e a Previdência é uma forma de você criar rendimentos passivos, a partir de contribuições regulares durante um longo período de tempo. Como está a construção de sua previdência? Você tem investido recursos financeiros todos os meses que serão suficientes? Quanto tem depositado? Quando terá a quantia necessária para se aposentar? Sua Previdência é a melhor do mercado? Se você não soube responder algumas dessas perguntas e sentiu que precisa resolver essa situação, mas não sabe como, lembre-se que você pode entrar em contato comigo para combinarmos uma consulta pontual para que você se instrua e, principalmente, consiga focar naquilo que precisa fazer. Senão o tempo vai passando e você não constrói a sua tão sonhada independência financeira.

E para fecharmos tenho uma notícia: todos os seus gastos (despesas pessoais/familiares, contribuições, previdência e proteções e seguros – que vou tratar no próximo podcast) devem estar dentro do seu Rendimento Principal. Isso é uma regra? Não; é uma referência do que é o ideal. Contudo, o seu padrão de vida, a fase da vida em que você se encontra e as suas decisões (conscientes) é que vão determinar o que é ou não importante para você.

Conforme já disse no início desse episódio, você pode querer fazer a sessão experimental de coaching do Giro Financeiro que está disponível em meu site (www.PhillipSouza.com.br) para fazer sua auto avaliação sobre como está a sua vida financeira como um todo.

 

Espero que tenha gostado do episódio de hoje! No próximo episódio falaremos sobre as outras duas grandes habilidades para alcançar a independência financeira: economizar dinheiro e investir dinheiro!

Curta, comente, compartilhe e deixe sua avaliação no iTunes para que este conteúdo chegue cada vez mais longe, ajudando mais e mais pessoas a cuidarem bem de suas finanças e investirem com mais qualidade e consciência!

Caso fique com alguma dúvida, me procura lá no grupo do Investidor Inteligente no Facebook, pois estarei à disposição para esclarecer todas elas.

Assine este podcast no seu dispositivo Apple através do aplicativo Podcast, ou no seu dispositivo Android usando o aplicativo de podcast de sua preferência. E claro encontre o Investidor Inteligente através do Spotify e do Deezer.

Assim você receberá uma notificação sempre que um novo episódio estiver disponível.

Conheça também nosso time de experts através do nosso site: www.DicasCurtas.com.br.

Até a próxima semana com mais uma dica do Investidor Inteligente!


Pin It on Pinterest

Share This