Ouça agora este podcast!“066 Frequência cardíaca no limiar”

A frequência cardíaca é a métrica mais usada para descobrir a intensidade em atividade, embora seja a mais comumente mal entendida. Isto é quando se trata de frequência cardíaca no limiar.

Eu sou Renato Silva, o Cara da Academia do Dicas Curtas e semanalmente trago aqui neste podcast, várias dicas e informações para ajudar você a desenvolver nas suas atividades físicas, seja iniciante, intermediário ou atleta.

Então para que você não perca nenhuma dica e fique atualizado com todas as informações que estarei compartilhando aqui, basta assinar o podcast e acompanhar todas as semanas o Cara da Academia do Dicas Curtas.

Então vamos para o que interessa!

 

Frequência Cardíaca

Ter um ritmo cardíaco de limiar alto ou baixo não se relaciona com o desempenho atlético, mas simplesmente esta relacionado à forma como você é treinado junto com sua experiência esportiva. As frequências cardíacas limítrofes também são muito individuais e não necessariamente determinadas pela idade.

A frequência cardíaca no limiar é uma frequência cardíaca máxima que pode ser mantida durante um período de tempo mais longo, como de 10 a 60 minutos, dependendo da capacidade e do nível de aptidão aeróbica. A frequência cardíaca no limiar também está relacionada à potência máxima, ou esforço que você pode sustentar pelo mesmo período de tempo. 

Esforços acima do limiar são extremamente intensos. Você esgota a glicose no sangue a uma velocidade rápida acima do limite, enquanto se aproxima dos intervalo de VO2max. Esses esforços podem durar apenas alguns minutos, antes que a recuperação seja necessária. Por outro lado, os esforços abaixo e até no seu limiar podem ser mantidos por muito mais tempo.

A frequência cardíaca é muito individual. Há atletas que têm um limiar mais alto de frequência cardíaca, enquanto outros têm um limiar mais baixo. Esses números podem variar em qualquer idade. Por exemplo, um atleta de 50 anos pode ter um limiar de frequência cardíaca a 180bpm, enquanto um atleta de 25 anos pode ter o mesmo. É típico que os atletas mais jovens tenham um batimento cardíaco mais alto. Também é comum ver atletas em entre 30 e 40 anos com uma frequência cardíaca menor. Mais uma vez, esta é apenas a tendência; É possível que um limiar de frequência cardíaca superior ou inferior possa ser pontuado em qualquer idade.

O débito cardíaco, a função pulmonar, a força, o VO2 e o tamanho geral do corpo contribuem para a rapidez com que o coração precisa bater para fornecer oxigênio aos músculos. Embora existam muitos fatores que afetam a frequência cardíaca inicial, um dos principais fatores pode ser o próprio coração, especificamente o ventrículo esquerdo.

Durante a diástole (o estágio de relaxamento), o ventrículo esquerdo se enche de sangue com oxigênio e, durante a sístole, ele se contrai bombeando o sangue rico em oxigênio pela aorta e para o corpo. O tamanho e a força do ventrículo esquerdo determinam quanto volume de sangue pode ser administrado a cada batida.

Quando jovem, o coração é mais compatível com a mudança e a adaptação. À medida que envelhecemos, o coração se torna menos complacente, por isso sua capacidade de mudar e se adaptar diminui. ”Isso pode significar que atletas com 40 e 50 anos que têm um batimento cardíaco mais alto podem ter estabelecido essa frequência cardíaca quando eram jovens. A manutenção de um nível moderado a alto de atividade pode permitir que esses atletas tenham o mesmo limiar de frequência cardíaca ao longo da vida.

Aqueles que são novos no treinamento de resistência, em qualquer idade, podem sofrer uma mudança na frequência cardíaca inicial após os testes. É comum devido a ganhos iniciais de força ou adaptações cardiovasculares. Aqueles que atingem uma frequência cardíaca de limiar muito elevada, nos 180 ou 190bpm, podem ver a frequência cardíaca limiar ligeiramente mais baixa, enquanto os que atingem um limiar mais baixo, como nos 150, 160, podem ver um aumento. Os aumentos ou diminuições iniciais estão geralmente no intervalo de 5 a 10 batimentos.

Outras variáveis ​​incluem medicamentos, que podem diminuir ou elevar os batimentos cardíacos, assim como o treinamento até a fadiga. Se você usa medicamentos para o coração, é importante consultar médicos para determinar com segurança o exercício e as expectativas em relação à frequência cardíaca.

A frequência cardíaca também pode ser suprimida devido à fadiga muscular geral. Muito treinamento para um teste pode não produzir resultados precisos.

O limiar é importante para saber a quantidade de energia que se pode sustentar nessa intensidade. Determinar esse intervalo inicialmente leva algum tempo e compreensão, mas uma vez que você descobre, você terá uma medida consistente de feedback sobre a fadiga e a intensidade em todo o seu treinamento.

Espero que tenha gostado do episódio de hoje!

 

Curta, comente, compartilhe e deixe sua avaliação no ITunes para que este conteúdo chegue cada vez mais longe, ajudando mais e mais pessoas a melhorarem e se desafiarem a fazer mais no esporte.

Caso fique com alguma dúvida, me procura lá no grupo do Cara da Academia no Facebook, pois estarei à disposição para esclarecer todas elas.

Assine este podcast no seu dispositivo Apple através do aplicativo Podcast, ou no seu dispositivo Android usando o aplicativo de podcast’s de sua preferência.

E claro também através do Spotify e do Deezer. Assim você irá receber uma notificação sempre que um novo episódio estiver disponível.Conheça também nosso time de experts através do nosso site: www.dicascurtas.com.br.

Até a próxima semana!


Como começar o ano motivado | O Cara da Academia

Pin It on Pinterest

Share This