Ouça agora este podcast!

“099 Marketing Multinível de Investimentos?

Nesse podcast não vou falar sobre uma ou outra empresa em específico, apesar de eu ter minha opinião pessoal sobre determinadas empresas, principalmente as que dizem atuar com investimentos, que é o foco do podcast do Investidor Inteligente. Vou falar sobre os cuidados que devemos ter e o que devemos investigar sobre esse tipo de empresa (que diz mexer com investimentos).

Eu sou Phillip Souza, o expert em Finanças e Investimentos do Dicas Curtas e todas as semanas apresento nesse podcast, várias dicas, informações relevantes e orientações que podem te ajudar a usar bem o seu dinheiro para construir seus resultados de forma financeiramente saudável com foco em qualidade de vida, aproveitando o presente e cuidando do futuro, transformando-se em um investidor inteligente.

Para você ficar por dentro com todas as informações e não perder nenhuma dica, basta assinar gratuitamente o podcast e acompanhar todas as semanas o Investidor Inteligente do Dicas Curtas.

Desde o dia 26 de janeiro de 2016, quando o Ibovespa atingiu a mínima recente aos 37.497 pontos, o índice de ações brasileiro avançou mais de 180%, superando os 100 mil pontos. O proeminente avanço da Bolsa de Valores sugere um relativo esgotamento dos ganhos oriundos dessa fonte, principalmente após a evolução com a aprovação da reforma da previdência na Câmara.

No mesmo sentido, a Selic em sua mínima histórica e a perspectiva de novos cortes, como indicado pelo boletim Focus de expectativas colhidas pelo Banco Central, também sugerem que os rendimentos na renda fixa não serão mais tão atraentes, muito provavelmente pelos próximos anos e talvez as próximas décadas. Deste modo, novas oportunidades de investimentos surgem, mas algumas delas são ciladas criminosas.

Recentemente, algumas empresas propagandeiam investimentos milagrosos, que prometem desde rendimentos de 2% ao mês – e pasmem – até 2% ao dia. E tudo isso sem risco! Vamos brincar com números para você entender o tamanho da falácia e dos absurdos que essas empresas prometem com garantia de não envolver risco algum.

Um rendimento de 2% ao mês se traduz, em termos anuais, em 26,8% ao ano – é bastante coisa. Trata-se de um rendimento espetacular que nem mesmo Warren Buffet, considerado o melhor investidor da história, conseguiu. Buffet tem uma rentabilidade média anual em torno de 20%. E também devemos considerar que em alguns anos ele perdeu dinheiro.Vale lembrar também que ele conseguiu um rendimento médio anual dessa magnitude se expondo a muitos riscos. Nos investimentos para obter maiores taxas de retorno, deve-se expor a maiores riscos. Assim, posso afirmar com segurança que uma empresa que promete rendimento de mais de 20% ao ano em seus investimentos, sem risco, quer te colocar em uma cilada.

Há ainda quem prometa retornos ainda mais mirabolantes: de 15% ao mês, o que seria equivalente a 435% ao ano. Trata-se de um investimento com retorno superior a taxa de juros do cartão de crédito e do cheque especial da maioria dos grandes bancos. Se uma pessoa investe de uma vez R$10 mil a 15% ao mês, ao final do primeiro ano, seu patrimônio será mais de R$53 mil. No segundo ano, os seus R$10 mil já teriam virado mais de R$286 mil, e ao final do quinto ano, essa pessoa teria mais de R$43 milhões.

Preciso falar mais alguma coisa? Mas eu vou falar.

É óbvio que essas empresas não demonstram esses cálculos. Caso contrário, ficaria nítida a mentira que contam, pois são números astronômicos. Porém, o absurdo não para por aí: tem empresa que promete retornos entre 1% a 2% ao dia. Com aporte único de apenas R$50, em cinco anos você já teria mais de R$ 3 bilhões; levando em conta a remuneração mais modesta, de 1% ao dia, significa um retorno de incríveis 3.495% ao ano.

Se compararmos quaisquer dos retornos dos investimentos citados anteriormente com o título mais popular do Tesouro Direto, o Tesouro Selic, o resultado pode parecer muito desanimador: nesse título público o retorno ao mês é de cerca de 0,53% (aproximadamente 6,5% ao ano).

Ou seja, as taxas de retorno das empresas golpistas são muito atrativas, são muito tentadoras. Contudo, por detrás dos panos, na maior parte dos casos, essas empresas funcionam tipicamente como uma pirâmide financeira travestida de estratégias de investimentos avançadas: o dinheiro de novos entrantes serve para pagar os que resolvem resgatar o seu dinheiro.

Se a quantidade de pessoas querendo resgatar suas aplicações for maior do que as pessoas querendo colocar dinheiro no “esquema”, a pirâmide se desfaz. Ou pior, os administradores criminosos dessa armadilha podem simplesmente sumir com o dinheiro de todo mundo quando lhes parecer conveniente.

A dica é simples: se prometerem 1% ao mês de retorno sobre o investimento sem risco, acenda a luz laranja de seu radar. Se a promessa for de retorno maior do que esse, foge que é cilada garantida!

É totalmente possível conseguir retornos maiores que 1% ou 2% ao mês no mercado financeiro. Mas todos envolvem o risco de você ver o seu patrimônio diminuir de tamanho, em vez de aumentar. E por isso é necessário estudo, prática, entendimento: o bom preparo é necessário.

Só para contrastar, e já deixo claro que não se trata de recomendação de investimento, uma empresa no mercado de ações brasileiro que trouxe retornos espetaculares aos seus investidores foi Magazine Luiza. Se um investidor tivesse feito aporte único em dezembro de 2015, no valor de R$5.000 teria adquirido 4.762 ações, aproximadamente; se ele manteve essas ações até julho de 2019, esse investidor teria cerca de R$1.132.522: um crescimento patrimonial de 22.550% no período – em média, cerca de 13,8% ao mês se considerarmos 42 meses, desde a aplicação inicial. Existem casos impressionantes no mercado brasileiro, mas são raros; porém, podem acontecer e é completamente legal.

Banner para aula grátis do Cambly

Clique no banner e utilize o cupom “INVESTIDOR” para uma aula experimental GRÁTIS!

Sobre o que ficar atento sobre essas empresas?

Principalmente nos últimos anos, com a maior publicidade dos criptoativos (mais detalhes no episódio anterior, #98) e do mercado Forex (que de forma simplificada é arbitragem internacional de moedas; mais detalhes no episódio #97), tem surgido empresas que estão apresentando o mundo dos investimentos, convidando as pessoas a investirem junto com elas, prometendo educação financeira enquanto vai se desenvolvendo o negócio que podem não ser verdadeiros marketing multiníveis (para aprender como diferenciar de pirâmide, ouça o podcast #96).

As pessoas que estão à frente, geralmente nas reuniões de apresentação de negócios, usam argumentos muito convincentes e geralmente com um público leigo no mercado financeiro. Apresentam o argumento de juros abusivos cobrados em uma negociação bancária ou em um empréstimo ou no cartão de crédito e logo em seguida apresentam a ideia ou mesmo o resultado conseguido de rentabilidades astronômicas em um curto espaço de tempo. Usam e reforçam argumentos de que o brasileiro comum tem uma mente pequena, que é um escravo-assalariado, que vai morrer de fome e na miséria e que somente eles são os redentores desse sistema capitalista selvagem e que para sair desse sistema tem que investir da forma A, B ou C e que a forma deles é sempre a melhor. Eu não estou falando que banco é bonzinho; eu não estou falando que não tenha situações (e muitas) de juros abusivos; eu não estou falando que não tenha coisas exageradas e erradas no mercado financeiro. Mas o alerta aqui é: seja prudente e bastante crítico ao que é apresentado e falado – como diz um antigo ditado: prudência e caldo de galinha não fazem mal a ninguém.

Cuidado: são argumentos muito apelativos que podem ter seu conteúdo de verdade, mas vêm carregados de um conteúdo emocional muito forte, para que você seja induzido a tomar decisões sem ponderar o que pode dar errado, pois o seu filtro de percepção diante de tantos fatos fica contaminado achando que tudo o que existe no mercado financeiro ou mesmo no mercado tradicional é ruim, quando não é.

Nessa mesma linha de argumento, tem um ponto que reforço toda vez que cabe em algum podcast: pode acontecer de ter ganhos elevados? Pode.  Porém: quanto maior o risco, maior o retorno. E como já disse outras vezes: o retorno pode ser tanto positivo, quanto negativo – você pode ter lucro ou prejuízo. E com rentabilidades tão expressivas em tão pouco tempo, a probabilidade de ter prejuízos consideráveis é muito grande. Cuidado com promessa de ganhos expressivos e rápidos. Cuidado com promessas de ganhos garantidos. Ambição é importante, mas a ambição desmedida (que conhecemos como ganância) tende a nos levar para situações perigosas e extremamente prejudiciais para nossa vida, financeira e social: financeira porque nós podemos levar prejuízo e não é nada agradável levar prejuízo; social porque nós podemos levar outras pessoas a levarem prejuízo e geralmente são pessoas próximas – e isso costuma ser muito pior do que levar  prejuízo sozinho.

Outro ponto importante é o seguinte: empresas que lidam com investimento, qualquer que sejam eles, têm que ter autorização do Banco Central e da Comissão de Valores Mobiliários. Falar que a CVM, assim como o Banco Central, protege os bancos e não estão nem aí para o pequeno investidor é outra falácia que é usada nessas apresentações. Pode ter algum jogo de interesse? Eu não boto minha mão no fogo para falar que não existe. Porém, até onde eu sei, até onde eu estudei, até onde acompanhei nesses 10 anos de experiência no mercado financeiro, inclusive convivendo com pessoas muito mais experientes do que eu (com 30 anos ou mais de mercado financeiro), inclusive com pessoas que mexem ou já mexeram com multinível legítimo, o coro é o mesmo: se a empresa não está devidamente autorizada, se ela está operando e ainda pagando multa por estar em desacordo com o que os órgãos reguladores daquele país exigem, pula fora. A empresa está irregular, a empresa não está operando de acordo com a legislação vigente naquele país.

Como que eu vou saber disso? Pega as informações da empresa, consulta o CNPJ no site da Receita Federal, dá uma olhada para ver quem são os sócios, vai no site da CVM (que é a autarquia federal que cuida do mercado de capitais brasileiro), pesquisa sobre a empresa, verifica se tem alguma coisa que fere a legalidade do negócio, dá uma olhada também sobre informações no ministério público, enfim, faz uma pesquisa refinada sobre o que está disponível para a população em geral.

Se ainda assim você se interessou pelo negócio, acalma o coração, pega as informações, faça perguntas e faça contas por conta própria: estude o negócio, verifica a probabilidade e a viabilidade daquilo que está sendo feito com seu dinheiro. Tem muita falácia, tem muita crença fundamentada em equivalências complexas que é a ideia de usar um argumento válido e logo em seguida apresentar outro argumento (geralmente argumentos financeiros) para trazer embasamento de acordo com a analogia que foi feita, induzindo concordância emocional por parte de quem está assistindo as apresentações.

Vou dar um exemplo para você entender o que é equivalência complexa e logo em seguida vou fazer minhas ponderações. Esse é um áudio distorcido de um desses argumentos que escutei em uma dessas apresentações. É muito comum ouvir assim:

“Hoje no Brasil existem 5 grandes bancos que monopolizam o dinheiro (Bradesco, Banco do Brasil, CAIXA, Santander e Itaú) ; o que o Itaú fez? Comprou o Unibanco, não é? O que o Bradesco fez? Comprou o HSBC. Nos Estados Unidos nós já temos um grupo de bancos maiores, são mais de 2000, então o dinheiro é mais dividido. E o que acontece com isso, nesse formato? Aí você tem que raciocinar, eu convido a você usar sua inteligência junto comigo; vamos pensar junto: eles não querem dividir esse dinheiro; então eles pegam e convidam eu e você para guardar o nosso suado dinheiro numa coisa chamada Caderneta de Poupança do qual existe um “seguro” do Banco Central até R$250 mil. Se eu tiver 5 milhões na poupança e o banco quebrar, os R$5 milhões não vão ser cobertos, apenas R$250 mil, é um teto – e ninguém te fala isso; mas você acha que a poupança é um lugar seguro – em partes é apenas para tentar minimizar um pouco o impacto da inflação. O que eles não te contam é o que eles fazem com o seu dinheiro que está numa telinha de computador. Então você entra no aplicativo, olha em seu saldo e pensa: “tem R$10 mil”. Mas os seus R$10 mil está na telinha do computador, não está em seu bolso! Agora se você olhar na telinha do computador e você ver R$100 mil tenta ir amanhã sacar os R$ 100 mil para ver se você vai conseguir… você não vai conseguir, vai ter que fazer uma provisão, pedir para o gerente liberar esse valor daqui 48h, porque ele não tem esse dinheiro no banco; se todos os clientes do Bradesco forem amanhã nas suas respectivas agências eles quebram o banco. Porque o banco não está com esse dinheiro vivo lá, tá na telinha. Isso as pessoas não vêm. Como as pessoas não sacam tudo ao mesmo tempo, eles trabalham com esse dinheiro em mercados que as pessoas desconhecem. Mas por conta da internet a informação ficou lateralizada e acessível para as pessoas comuns. Então o cara vai na internet e começa a conhecer o que é trader de criptomoedas, o que é forex, o que operação na Bovespa, e esses trabalhos de arbitragem que proporcionam lucros gigantescos de rentabilidade em um dia. Hoje, por exemplo, de agora de tarde para noite o bitcoin que estava na faixa de R$49 mil foi à R$54-55 mil; de R$50 mil para R$55 mil isso é uma alta de 10% em um intervalo muito curto; e eles pagam quanto para você para o seu dinheiro ficar na poupança? Meio por cento; meio por cento! Enquanto em um dia eles ganharam 10%! 10% para 0,5% é 20 vezes mais ganhando nas costas das pessoas. Você vai aceitar isso até quando?”

Vou parar por aqui e apontar as inconsistências desse argumento, que, conforme eu disse traz validade emocional e, infelizmente, os desavisados engolem sem perceber:

  1. O sistema bancário brasileiro é um dos mais robustos que existe no planeta; é passível de ter problemas, erros? Sim, como qualquer coisa. Mas diferente dos Estados Unidos, na crise de 2008, os bancos aqui não quebraram;
  2. Banco não incentiva o cliente a aplicar em caderneta de poupança que tem propósito especifico. O dinheiro usado pelo Sistema Financeiro de Habitação vem da Caderneta de Poupança e do FGTS – os bancos costumam incentivar aplicar em CDB porque aí a instituição financeira pode aplicar o seu dinheiro da maneira que ela quiser;
  3. A gente já sabe que não existe seguro: existe a proteção do FGC de até 250 mil reais por CPF e por instituição financeira e não é realizada pelo Banco Central; é uma empresa diferente (mais detalhes no podcast #89);
  4. Não existe moeda física suficiente para todo recurso financeiro que existe no mundo (existe moeda eletrônica que não é criptoativo): essa relação foi desfeita após a Segunda Guerra Mundial, no tratado de Bretton Woods – antes o dinheiro era lastreado em ouro; hoje não existe esse vínculo;
  5. Sim, a informação hoje está bastante difundida, tanto de pessoas que fazem operações aqui no Brasil quanto fora. Porém um detalhe: o nível de risco dessas aplicações (criptoativos, forex) é gigantesco. Em um passado não tão distante (dezembro de 2017), o bitcoin saiu da marca de R$ 45 mil para a marca de R$ 74 mil em 12 dias (cerca de 65% de alta); e logo em seguida, em pouco mais de 30 dias, despencou de R$ 74 mil para quase R$ 27 mil (uma queda de 64,5% no período). Tem que ter estômago. Então bitcoin é uma aplicação ruim? Não estou dizendo isso; o meu argumento é: tem muito risco envolvido nesse tipo de aplicação que nessas empresas não é ressaltada essa característica – o risco é incentivado de forma velada (ou seja, não explícita) com a promessa de ganhos espetaculares.
  6. E mais um ponto: as operações de arbitragem de moedas no mercado bancário têm propósito específico. Pode e até tem especulação, mas a maioria é proteção (hedge).

E por fim, ainda no âmbito regulatório, vale lembrar que a CVM não tem como oferecer proteção em termos de investimento em Forex ou criptoativos. Se depois de fazer toda essa pesquisa, entender que mesmo assim você vai aplicar o seu dinheiro nesse negócio porque não está suficientemente convencido que tem alguma coisa esquisita ou que seja um negócio irregular ou que apesar de ter riscos você está disposto a corrê-los, lembre-se: o risco é só seu. Se der problema, pode e até deve fazer a reclamação na CVM para alertar a autarquia federal da atuação irregular ou do problema que teve com essa empresa: mas não espere ser ressarcido pela ousadia (provavelmente ganância) que você tenha decidido se permitir. Os investidores que decidem investir nesses mercados ficam expostos não só aos riscos relacionados à estratégia de investimento, mas também à insegurança decorrente de fornecer dados pessoais a entidades de idoneidade incerta.

Espero que tenha gostado do episódio de hoje! Devemos lembrar sempre que nos investimentos a pressa é a nossa pior inimiga. Não se deslumbre com o “potencial” ganho e o seu lindo e brilhante futuro com esse dinheiro. Procure investir todo mês, consistentemente, e verá os resultados mais adiante, sem fórmula mágica e sem bala de prata.

Se você gostou curta, comente e compartilhe nossas publicações do Dicas Curtas nas redes sociais. E caso fique com alguma dúvida, me procura lá no grupo do Investidor Inteligente no Facebook, pois estarei à disposição para esclarecer todas elas. Assine e acompanhe esse podcast através do seu dispositivo Apple ou Android, sendo que você também pode encontrar o Investidor Inteligente no Spotify e no Deezer

Agora um anúncio muito importante:

Sabia que a partir de agora você também pode ajudar o Dicas Curtas a crescer ainda mais fazendo parte do grupo de apoiadores?

Com incentivos a partir de 1 real por mês, você ajudará o Dicas Curtas a alcançar mais pessoas, incluir novos experts, e claro, ter acesso ao grupo de apoiadores no Facebook para receber conteúdos especiais e ter acesso a lives exclusivas para poder tirar suas dúvidas ao vivo com o expert de sua preferência.

Para ser um apoiador basta acessar o site: apoia.se/dicascurtas.

O link vai estar disponível na descrição do episódio!

Ficamos por aqui e até a próxima semana com mais uma dica do Investidor Inteligente!

Investidor Inteligente do Dicas Curtas

Pin It on Pinterest

Share This