Ouça agora este podcast! “012 Planos de aposentadoria PGBL e VGBL – saiba qual é o ideal para você”

O PGBL (Plano Gerador de Benefícios Livres) e o VGBL (Vida Gerador de Benefícios Livres) consistem em produtos em que você irá emprestar seu dinheiro a uma entidade seguradora ou de previdência complementar por certo tempo (chamado de período de diferimento) para que, após o vencimento do plano, receba uma renda mensal (que pode ser vitalícia ou por tempo determinado) ou um pagamento único.

Em ambos os casos, o imposto de renda incide apenas no momento do resgate, não havendo o famigerado “come-cotas” (cobrança de imposto de renda semestral que ocorre nos fundos de investimentos e que diminui substancialmente a rentabilidade no longo prazo). A diferença, entretanto, é que, no PGBL a tributação se dá sobre o valor total investido, enquanto no VGBL o imposto é cobrado apenas sobre os rendimentos.

A lógica para esse tipo de tributação é a seguinte: nos PGBLs, existe um benefício fiscal (inexistente nos VGBLs) em que todo valor aportado (até o limite máximo de 12% dos rendimentos brutos anuais do contribuinte – só valendo a pena, então, para aqueles que fazem a declaração completa de Imposto de Renda – e não para a declaração simplificada – em que o produto mais adequado é o VGBL) não é tributado no presente – só o sendo no futuro e por uma alíquota muito menor. Assim, todo o valor investido, como não foi tributado no presente, será quando de seu resgate.

Os valores aplicados no VGBL, por sua vez, não possuem o benefício fiscal do diferimento (adiamento) e abatimento da base de cálculo do imposto de renda dos PGBLs. Assim, os valores aplicados no VGBL serão tributados apenas em seus rendimentos quando de seu saque – como qualquer investimento – uma vez que não contaram com o benefício do adiamento do pagamento do imposto.

Investidor Inteligente do Dicas Curtas

Pin It on Pinterest

Share This