Ouça agora este podcast! “034 Qual escola de investimentos é melhor: análise técnica ou análise fundamentalista?

 

Olá, sou Phillip Souza, o Investidor Inteligente, do site DicasCurtas.com.br. Meu objetivo é ajudar a fazer com que você se transforme em um investidor inteligente que usa bem o dinheiro para alcançar seus objetivos de forma financeiramente saudável com foco em qualidade de vida. Todas as semanas estarei aqui com vocês compartilhando dicas para construirmos caminhos que levam à conquista de objetivos, à superação de desafios e também à independência financeira. Para ter acesso à essas dicas é bem simples: basta assinar ao podcast e acompanhar todas as semanas o Investidor Inteligente.

Quando você começa a estudar o mercado de capitais, muitas vezes começando pelo mercado de ações, é natural você encontrar as duas grandes escolas de análise: a análise técnica e a análise fundamentalista. Na medida em que você vai procurando mais informações, muitas vezes explorando pela internet, você pode ficar com a impressão que uma escola de análise é concorrente da outra.

Na verdade, com o tempo, com experiência, com senso crítico e discernimento, você vai percebendo que ambas abordagens são válidas e, apesar de diferentes, são muitas vezes complementares em relação à tomada de decisão para investimento.

Mas o que se trata a análise técnica e a análise fundamentalista e como uma pode se complementar à outra?

 

Até hoje costuma existir uma competição dizendo que análise técnica é melhor que análise fundamentalista e vice-versa. Com o tempo e mantendo a cabeça aberta, você vai compreendendo que ambas escolas têm cada uma sua serventia.

Tanto a análise técnica quanto a análise fundamentalista dão a oportunidade para o investidor estudar, compreender e atuar no mercado de capitais com mais informações, sob diferentes óticas. Sim, são diferentes ambas abordagens.

Analise técnica

A escola da análise técnica é a mais conhecida tanto pela popularização dos filmes e séries quanto pelas notícias que circulam pela internet, especialmente devido à sua relativa facilidade de aprendizado e aplicação, comparada à análise fundamentalista. Basicamente, na análise técnica o trader ou investidor vai aprender a fazer a leitura do comportamento de mercado através de gráficos e informações matemáticas e estatísticas. Vai aprender sobre algumas teorias de movimentação de preços (como a Teoria de Dow), tendências de mercado com base nos gráficos, regiões onde podem apresentar expressiva força compradora ou expressiva força vendedora (os chamados suportes e resistências), aprender a traçar linhas para facilitar a visualização de tendências, identificar padrões gráficos que se repetem e indicam um possível comportamento futuro dos preços no mercado (os padrões gráficos de continuação ou reversão), e também aprender a ler o comportamento dos investidores através de figuras como os famosos candlesticks. Se o investidor/trader quiser se aprofundar, pode também estudar e se especializar em diferentes indicadores técnicos (sejam rastreadores de tendência ou osciladores) e tantas outras informações disponíveis nesse mundo imenso da análise técnica.

Só com isso muitas pessoas costumam ter bons resultados, mas basicamente esses bons resultados vêm com muito estudo, muitos erros, muita experiência, bastante disciplina operacional, constante avaliação dos erros e acertos das operações efetuadas. Não deixando, claro, de mencionar a evolução da gestão emocional ao longo do tempo – uma coisa é você realizar operações com um simulador, em que o recurso é fictício e não é seu; outra coisa é você colocar o seu dinheiro, poupado, guardado, suado, no mercado real. São muitas emoções!

Analise fundamentalista

Por outro lado, temos a escola da análise fundamentalista que tem uma proposta diferente quando se trata de investir. Trata-se de conhecer a empresa em seus detalhes: quais são seus clientes, possíveis clientes, o que a gestão tem realizado em prol do desenvolvimento e expansão dos negócios, como está o mercado que a empresa está inserida, como ela está posicionada, quais são as estratégias e alternativas de atuação nesse mercado, seja para ampliar sua participação, seja para melhorar sua competitividade junto aos concorrentes, qual a margem de lucro da empresa, o desempenho e retorno do investimento ao longo dos anos, as disponibilidades financeiras, dívidas, investimentos que a empresa realizou e pode realizar e várias relações com diversos indicadores que podem ser extraídos dos relatórios trimestrais ou anuais, dependendo da empresa que está sendo analisada.

A análise fundamentalista tem o propósito de conhecer a empresa a fundo, e, a partir disso, chegar à uma conclusão se vale a pena ou não adquirir ações de uma companhia específica, verificando se as ações dessa empresa estão com o valor mais baixo do que aquele expresso através do preço no mercado. Nesse ponto é importante ressaltar que valor é diferente de preço: valor é aquilo que de fato a empresa vale; preço é o que se paga no ato da compra. Uma ação de uma empresa pode estar cotada no mercado ao preço de R$ 10,00, sendo que seu valor pode ser bastante superior ao que está objetivamente expresso (por exemplo, o preço deveria ser de R$ 35,00); ou uma ação pode estar sobrevalorizada: após análise, pode-se chegar à conclusão que as ações de determinada empresa estão caras e não vale a pena investir naquele momento.

A análise fundamentalista exige sim mais estudo, e um tipo de capacidade analítica e relacional diferente da análise técnica; muitas pessoas acabam evitando esse tipo de análise devido à sua aparente complexidade, à quantidade imensa de informações que tem que ser lidas, compreendidas e avaliadas. Contudo, ambas escolas têm sua validade, visto que um dos fatores que diferem entre uma e outra, é o objetivo do investimento.

Objetivo do investimento

 

Se o objetivo do investidor/trader é especular, fazer dinheiro mais rápido no mercado, não adianta pensar muito em análise fundamentalista: o foco deve ser análise técnica.  Nem estou falando em operações day-trade (que são operações de compra e venda ou venda e compra dentro do mesmo dia): estou falando de especulação. Se é para especular, ou seguir as tendências e lucrar com isso, a análise fundamentalista tem pouca serventia. Muitas pessoas, infelizmente, se iludem com a ideia que vão se tornar, do dia para a noite, os traders dos filmes, que fazem operações mirabolantes e ganham rios de dinheiro. Não é por aí: analistas técnicos experientes acertam cerca de 3 trades a cada 10 operações – o ponto é que fazem uma gestão de risco tão boa que os prejuízos ocorridos nas operações de insucesso são pequenos comparados aos ganhos nas operações bem-sucedidas.

Por outro lado, se o investidor tem o objetivo de formar patrimônio ao longo da vida, construindo, por exemplo, uma carteira de ações crescente, que procura tanto valorização patrimonial ao longo do tempo quanto gere recursos a partir de dividendos (que é a remuneração passiva do investidor, proporcional à quantidade de ações que possui por ele ser sócio da empresa), o melhor a se fazer é construir sua tomada de decisão a partir da análise fundamentalista, sem olhar gráfico. No momento em que o investidor tiver a convicção para realizar o investimento em determinada companhia ele pode (não necessariamente precisa) fazer uma análise técnica simples, somente para identificar um ponto de compra mais adequado.

E sim, adotar uma escola de análise não exclui utilizar a outra: você pode ter recursos destinados à investimentos e longo prazo, com o objetivo de formação patrimonial no mercado de ações e, ao mesmo tempo (dependendo de sua disponibilidade de capital e preferência estratégica) realizar operações mais curtas, com base na análise técnica, almejando especular, fazer dinheiro com as movimentações mais curtas e, talvez, incrementar sua carteira patrimonial com esse recurso extra. Como disse, a adoção de uma estratégia não exclui a outra: elas podem ser perfeitamente complementares, desde que se saiba o que está fazendo e tenha clareza de quais são seus objetivos ao realizar as operações.

 

Gostou dessa dica? Assine o podcast do Investidor Inteligente do DicasCurtas através do aplicativo de podcast de sua preferência. Assim, você receberá uma notificação sempre que um novo episódio estiver disponível. Conheça nosso time de experts através do site www.DicasCurtas.com.br. Ficamos por aqui e até a próxima semana com mais uma dica do Investidor Inteligente!

 

 

Investidor Inteligente do Dicas Curtas

Pin It on Pinterest

Share This