Ouça agora  este podcast! “050 Quando é importante a energia anaeróbica no ciclismo?”

Olá pessoal, aqui é Renato Silva, O Cara da Academia do site dicascurtas.com.br e este é o nosso episódio número 50 e nele iremos falar sobre a importância da energia anaeróbica no ciclismo. Mas antes disso gostaria de te lembrar de seguir o nosso canal no spotify ou o grupo fechado no facebook. Lá você terá acesso a várias informações e textos sobre atividade física, acesso a outros ouvintes e também poderá esclarecer suas duvidas direto comigo. Então procure pelo Cara da Academia e solicite sua participação.

Ao pedalar, especialmente durante as provas e treinos, usamos uma mistura de energia aeróbica e anaeróbica para gerar velocidades para completar a distância. Enquanto pedalamos para fechar uma meta numa corrida de estrada ou para chegar ao topo de uma subida íngreme numa trilha de terra, você está aproveitando o metabolismo aeróbico e anaeróbico para completar a tarefa, mas na maioria das vezes você trabalha aerobicamente. O objetivo deste podcast é demonstrar como o esporte é realmente aeróbico e anaeróbico, e por que é importante que todas as séries de ciclismo se concentrem no treinamento aeróbico na maior parte do tempo.

Para começar a descobrir como se classifica o ciclismo em aeróbico ou anaeróbico, primeiro precisamos aprender o significado de aeróbico e anaeróbico. O metabolismo aeróbico ocorre com a presença de oxigênio e o metabolismo anaeróbico acontece sem a presença de oxigênio para produzir energia. Então, isso significa que às vezes corremos, nadamos ou pedalamos em uma certa intensidade que requer pouco ou zero uso de oxigênio. Mas a questão permanece, quando e com que frequência isso acontece durante o tempo que estamos competindo no ciclismo?

Vamos primeiro aprender sobre sistemas de energia e começar a olhar para o que está acontecendo no interior de nossos corpos enquanto estamos treinando em certas intensidades.

É importante saber que todos os sistemas de energia desempenhem um papel na maioria dos movimentos, em qualquer intensidade, mas o foco está no sistema que desempenha o papel principal. Como sabemos, uma ação anaeróbica ocorre em torno de 90-100% de sua potência máxima, normalmente durando entre 3 a 10 segundos, em momentos que realizamos esforços intensos. Uma mistura de energia aeróbica e anaeróbica é usada entre 30-90% da sua potência máxima e, ao trabalhar com menos de 35% da potência máxima, você está trabalhando principalmente em sistemas aeróbicos.

Por exemplo, ao analisar os dez minutos que precederam o minuto final de uma prova de ciclismo, o atleta esta trabalhando em suas faixas de força, com uma média de quase 400 watts, para ajudar a manter sua equipe perto da frente do pelotão. Quando você compara a potência do limiar deste atleta com a potência máxima dele neste dia, você percebe que, mesmo trabalhando muito perto de seu limite, ele ainda está trabalhando a apenas 35% de suas faixas de potência máxima. Então, embora ele estivesse trabalhando em seu limite de carga para um esforço de dez minutos, ele ainda estava usando uma grande quantidade de energia aeróbica para completar essa tarefa.

Os 3 a 5 segundos finais de um sprint até a linha de chegada, onde este mesmo ciclista coloca tanta energia nos pedais quanto possível, é um bom exemplo de um esforço principalmente anaeróbico. No estágio 6 do Tour De France de 2012, Greg Henderson (Lotto-Belisol) levou seu companheiro de equipe Andre Greipel para a linha de chegada, correndo como seu ajudante para dar a Greipel a melhor chance de ganhar a etapa. Henderson fez um ótimo trabalho naquele dia e Greipel acabou vencendo o estágio. Nos últimos 60 segundos dessa prova, Henderson produziu uma potência máxima de 1150 watts (seu pico de potência de 2 segundos foi de 1124 watts, então o máximo de 1150 watts foi provavelmente de 1 segundo) e a média foi de 663 watts. Durante esse curto período de tempo, especialmente quando ele estava martelando a faixa de 1000 watts, Henderson estava trabalhando anaerobicamente.

Se você precisar de uma direção, fique à vontade para me enviar perguntas e não deixe de acessar os episódios anteriores do meu podcast.

Espero que tenha gostado do episódio de hoje!

Curta, comente, compartilhe e deixe sua avaliação no Itunes para que este conteúdo chegue cada vez mais longe, ajudando mais e mais pessoas a melhorarem seus treinos. Caso fique com alguma dúvidas, me procura lá no grupo do Facebook O Cara da Academia, pois estarei à disposição para esclarecer todas elas. Assine este podcast no seu dispositivo Apple através do aplicativo podcast, ou no seu dispositivo Android usando o aplicativo de podcast´s de sua preferência. E claro também através do Spotify! Assim você irá receber uma notificação sempre que um novo episódio estiver disponível, conheça também nosso time de experts através do nosso site: www.dicascurtas.com.br

Até a próxima semana!


Pin It on Pinterest

Share This