Ouça agora este podcast! “011 Renda variável – O caminho natural do investidor de sucesso”

Como abordamos anteriormente, os investimentos de renda fixa são aqueles com a forma de cálculo dos juros já definidos na aplicação (prefixados ou pós-fixados – normalmente atrelados à SELIC/CDI ou à inflação).

A renda variável não tem qualquer acordo prévio fixo em relação à remuneração do capital investido.

A expectativa de ganho dependerá das circunstâncias específicas do negócio e da aplicação em questão. Assim, enquanto na renda fixa se pode estimar os lucros (ex. supor a inflação que ocorrerá no país nos próximos 3 anos) e pensar os prejuízos (ex. risco de uma empresa ou um banco não pagar uma debênture ou CDB) com certa margem de acuidade, na renda variável a estimativa é muito mais imprecisa – tanto para o campo dos lucros quanto para o dos prejuízos. É muito comum a ocorrência tanto de grandes lucros quanto de grande prejuízos na renda variável – talvez por isso mesmo ela seja tão sedutora e tão mortal ao investidor amador.

Não pense em multiplicar seu patrimônio na renda variável.

Pense nela como um instrumento de diversificação de aplicações em ativos reais que, possivelmente, gerarão um retorno a longo prazo superior ao da renda fixa.

 

Investidor Inteligente do Dicas Curtas

Pin It on Pinterest

Share This