Ouça agora este podcast!

“052 Saúde bucal – Parte 3: Tratamento de canal. Será a raíz do problema?”

Você provavelmente conhece alguém que era saudável e agora vive doente, reclamando de mal estar, cansaço, fadiga, dores ou até mesmo está desenvolvendo doenças degenerativas como Alzheimer, Parkinsson e até o câncer. Mas afinal, será que a causa desses sintomas e doenças podem estar na boca? O que fazer para prevenir esse tipo de problema? Como saber onde está a causa? Será que eu também estou sujeito a essas doenças?

Olá, aqui é Abílio Seronni, seu Doutor Saúde, do dicas curtas e se você que saber mais, fique comigo para aprender sobre as mudanças que vem desorientando dentistas e pacientes.

Então vamos lá!

Assim como o mundo é redondo, tudo passa, tudo se transforma, tudo se recicla! O que é verdade hoje, amanhã pode ser mentira e vice versa. É o que temos vivenciado com o mito do ovo, do colesterol, da gordura, do sol e por aí vai. Tem uma frase que diz: ”A ciência se compõe de erros, que por sua vez, são os passos até a verdade” mas que verdade? Hoje pode dar certo, amanhã, pode dar uma rejeição, uma alergia, uma intolerância. E na odontologia convencional não é diferente, sempre atuamos baseado nas evidências científicas, em testes clínicos randomizados, que foram escolhidos de forma aleatórias e comparadas com grupo controle, buscando errar o mínimo possível, mas não existe uma fórmula de bolo para a ciência. Cada indivíduo é único, tem suas diferenças, suas particularidades e por isso devem ser tratados sempre de forma personalizada, sistêmica e com integração multidiciplinar.

Quem se arrisca a dizer a verdade? No livro, Verdade? Quem se atreve? O autor, Dr. Marco Rogério Marcondes, médico e físico, aborda a existência do mundo e de nós mesmos. Será que tudo existe? Ou será apenas ilusão da mente produzida em nossa consciência? O autor apresenta como a consciência é capaz de criar a realidade através dos nossos sentidos.

Ele afirma que somos seres vibracionais e, como tal, tudo o que tomamos como real vem dos sentidos ( olfato, paladar, audição, visão e tato ) que por sua vez, são ilusórios em sua concepção, o que faz com que tudo que sentimos seja ilusão e não realidade. Confuso, né? Vamos pegar o exemplo da visão que é o mais fácil de entender. Se nós apagarmos a luz, ela deixa de existir. Concorda? Pois a luz, que são fótons, partículas sub atômicas, que se propagam no vácuo é captada pela nossa retina no olho, que transforma esses fótons em informações de ondas vibracionais que caminham na velocidade da luz, 360km/segundo, até o cérebro que cria a imagem. Assim, ocorre com todos os outros sentidos que apresentam sensores de captação de ondas vibracionais e quando na ausência do estímulo, o que nos resta é somente a consciência.

Neste ano, o Netflix estreou o documentário Root Cause, traduzindo, Raiz do Problema, gerando uma polêmica na classe odontológica. O documentário revela o tratamento endodôntico, conhecido como tratamento de canal, extirpa, remove se o nervo, faz o saneamento e a vedação do canal, porém, relata não ser suficiente para restabelecer a saúde bucal, pois só remove o nervo principal, as inervações colaterais, que representa em linha reta, cerca de 13km de comprimento, não se removem, permanecendo ali um foco de contaminação ad eterno, comprovado, se fizer um corte histológico ”in vivo”, o que é inviável de fazer, provando ser a raiz dos problemas de saúde, juntamente com os implantes de titânio. Ambos procedimentos vão interferir nos meridianos energéticos do corpo, que podem causar distúrbios que vão de síndrome do pânico, câncer, infarto até dor nas costas. Recomenda se prótese removível ou implante de zircônia. E quando fizer a extração, tem que aplicar terapias descontaminantes como ozônio ou laser. Já existem dentistas, chamados de dentistas biológicos que executam estes procedimentos. O documentário trás outros dados importantes como:

“98% das mulheres com câncer de mama tem um tratamento endodôntico no mesmo lado do seio afetado”

“A maior influência tóxica no corpo de uma pessoa doente cronicamente é um dente com tratamento de canal”

“A grande maioria das doenças degenerativas crônicas começa com problemas na boca”

“70 a 90% de todos os problemas médicos na verdade se originam na boca”

“Estudo com 60 pacientes com câncer mostra que 96% dos pacientes tinha dentes tratados endodonticamente no mesmo meridiano (energético) do órgão afetado”

Os críticos dizem que o problema do filme é que tais dados são apresentados sem qualquer referência, apenas a pesquisa do Dr. Weston Price, um dos pioneiros da teoria da infecção focal que diz que um foco de contaminação pode viajar por todo o corpo e instalar no órgão mais fraco e ali desenvolver infecções e doenças. Teoria essa que de fato foi relevante para o conhecimento científico da época… há cerca de 100 anos . Os estudos, que consistiam em implantar dentes humanos sob a pele de coelhos, não atendiam o rigor científico exigido pelos critérios acadêmicos de hoje. Já nos anos 50 os achados de Weston Price não tinham mais validade, porém foi suficiente para convencer o Dr. George E. Meinig , o fundador da Associação de Especialistas em Tratamento de Canal nos EUA a publicar o livro em 1994 chamado:  ”Root Canal Cover up – O encobrimento das desvitalizações” relatando a pesquisa do Dr. Price.

Os críticos ainda alegam que o diagnóstico feito no dente tratado o canal como responsável pela fadiga e cansaço do paciente foi feito por uma das técnica de radiestesia ( antena Lecher ) que significa ”sensibilidade a radiação”, consiste em captar campos energéticos que prejudicam a saúde do corpo através da coleta de sangue e das perguntas do operador para a antena, qual problema há no corpo do indivíduo e que no Brasil não é reconhecido, porém, já existe a Associação Brasileira de Radiestesia e Radiônica chamada ABRAD. Mesmo existindo divergências sobre a sua eficácia, conseguiu ser aceita pela academia de ciência em Cuba. Foi por muitos anos aceita nos EUA como ciência, apesar da ciência prender se pela objetividade e não pela intuição. É muito utilizada na geologia para encontrar poços de água e minério, vem ganhando muitos adeptos no campo da medicina e psicologia para harmonizar casas e terrenos por causa da poluição telúrica emitida pela água que passa pelo cano com água ou esgoto que prejudica o corpo humano e todos os outros seres vivos, exceto o gato que funciona como uma espécie de um filtro para essas energias. Você pode utilizar a radiestesia até para encontrar pessoas em um mapa. Ela vem sendo usada a mais de 2 mil anos por diferentes povos em diferentes lugares.

Aqui nós deparamos com duas vertentes de conhecimento, duas práticas medicinais em conflito, mas quem for inteligente, utilizará como forma complementar: A Medicina Ortodoxa Convencional Cartesiana, Divisionista, Reducionista, Corporativista, Farmacológica, Newtoniana, do mundo ocidental, baseado no mundo atômico, que rege as leis de Newton, as leis da gravidade, que se propaga no meio líquido, sólido e gasoso versus a Medicina Oriental Sistêmica, Integrativa, Holística, Não Convencional, Energética, Naturalista, Antroposófica, Einsteiniana, baseada no mundo subatômico, que se propaga no vácuo, das infinitas probabilidade, que hora se comporta como matéria, hora se comporta como onda, isso depende da presença ou não do observador, essa medicina que é chamada pelo médicos tradicionais de charlatanismo, feitiçaria ou até mesmo bruxaria. Isso ocorre provavelmente por falta de conhecimento da mecânica quântica, a ciência de Einstein que já foi comprovado por suas equações que ganharam prêmio Nobel. Hoje são terapias oficiosas, regulamentadas pelo Ministério da Saúde e que estão passando por um processo de consciência para se tornar oficial como a medicina convencional que um dia foi oficiosa.

Estamos passando por uma verdadeira revolução na quebra do paradigma médico. Saindo da limitação de drogas e cirurgias e passando a praticar terapias de auto cura e curas energéticas. No passado, década de 70 e 80, muito médicos tentaram praticar a medicina oriental como homeopatia, acupuntura, antroposofia, nutrologia e foram arduamente perseguidos e quase expulsos da classe médica e hoje são especialidades médicas. Outras práticas como ortomolecular, naturopatia, ozonioterapia (essa já reconhecido pela odontologia), terapia neural, radiestesia vem ainda sofrendo perseguições mas que devem ser reconhecidas no futuro. Profissionais que acabam de sair das universidades estão sem ideologia para seguir, perdidos em busca de um consenso médico, por isso, é preciso estudar, ter conhecimento e sobretudo, percepção, discernimento e aprender a redimensionar o conhecimento e harmonizar as informações dentro do campo de sua atuação. Hoje, está bem mais fácil, quem tiver essa visão sistêmica do corpo humano e quiser seguir a linha das terapias não convencionais os cursos estão aí, a disposição.

Até que as práticas medicinais alternativas sejam reconhecidas, muitos profissionais vão continuar a defender o seu ”pão de cada dia”, por exemplo, os endodontistas vão se apoiar nas evidências científica já publicadas e continuarem a fazer o que eles acreditam estar certos, já outros profissionais da saúde vão se inclinar na ciência de Einstein, das probabilidades infinitas, das ondas eletromagnéticas, das ondas telúricas, nas técnicas de radiestesia com pêndulos e varetas, nas terapias neuro focal, nas terapias vibracionais quânticas e exercer uma ciência não reconhecida mas quem aplica consegue ter resultados que na ciência convencional regulamentada não conseguem os mesmos resultados. Alguns vão sair na frente com suas terapias inovadoras correndo o risco de serem perseguidos e outros desencorajados vão permanecer na ciência aprovada pelos conselhos.

O Netflix lançou outro documentário chamada  “What de Health?” denunciando a máfia da relação indústria farmacêutica-doente-receita medica-médicos colocando em cheque a veracidade das terapias farmacológicas que visam muito lucro por parte dos médicos e farmácias e pouca saúde por parte dos pacientes. Até que ponto isso é verdade? Fica a pulga atrás da orelha. Isso é assunto para outro episódio.

Agora que você aprendeu que existe duas correntes de tratamento, uma que trata o todo com energia e auto cura e a outra que trata por partes com cirurgia e fármacos, agora vamos conhecer 5 procedimentos na odontologia que vem causando polêmica.

Antes de falar das polêmicas e suas dicas, eu te pergunto: você sabia que o açúcar, considerado o ouro branco no início do século XX, porque era raro naquela época, já na década de 60, com a escravidão em ascensão, muita mão de obra gratuita e muita plantação de cana de açúcar, o consumo de açúcar já estava excessivo, juntamente vieram as epidemias de cárie e infarto do coração, nesta época já havia desmascarado o grande vilão do açúcar e  foi brutalmente combatido e esconderam as provas? Isso mesmo.

Dr Ancel Keys, um nutricionista da Universidade de Minnesota, famoso por ter inventado uma ração humana usada pelas tropas durante a Segunda Guerra Mundial – declarou que a gordura era o inimigo público número 1 e recomendou que qualquer um que estivesse preocupado com doença cardíaca deveria mudar para uma dieta mediterrânea com pouca gordura, então a indústria alimentícia enxergou isso como um prato cheio, enchendo as gôndolas de supermercado com produtos açucarados e isento de gordura, mas os infartos só aumentavam até que o Dr. John Yudkin, fundador do departamento de nutrição do campus de Londres da Universidade Rainha Elizabeth, publicou o seu livro: Pure, White and Deadly (traduzindo: “Puro, branco e mortal”) já vinha fazendo seus próprios experimentos e, ao invés de colocar a culpa na gordura, afirmou que havia uma correlação muito mais clara entre o aumento na doença cardíaca com o aumento no consumo de açúcar, levando as pessoas a resistência insulínica mas ninguém deu bola, pelo contrário, foi largamente ridicularizado na época da publicação e hoje foi listado como um dos mais desejados trabalhos fora de catálogo do mundo depois que o jornalista cientista Gary Taubes publicou seu livro: ”Por que engordamos e o que fazer para evitar”, baseado na pesquisa do Dr. Yudkin, que acabou virando best seller clamado pelo New York Times, quase 50 anos depois! Pode ser que a radiestesia ou outra terapia holística venha ter o mesmo fim.

Que ironia, mais uma vez, o mundo dando voltas, me lembrando a frase de Arthur Schopenhauer :

”Toda verdade passa por três estágios.
No primeiro, ela é ridicularizada.
No segundo, é rejeitada com violência.
No terceiro, é aceita como evidente por si própria.

Agora, preste atenção nos procedimentos polêmicos e dicas:

Procedimento 01: Fluoretação – me lembro na época da Faculdade de Odontologia, saíamos para fazer fluoretação nos colégios da periferia de Nova Friburgo – RJ, era aquela festa, pingando frascos e frascos nos galões de água dos bebedouros e fazíamos palestras para divulgar a necessidade do flúor na prevenção da cárie dentária e hoje sabemos que o flúor compete com o iodo sendo o responsável pela epidemia de hipotireoidismo subclínico na população. A dica é passar longe do flúor e para prevenir a cárie basta ficar longe açúcar e quando tiver sensibilidade dentária tem soluções a base de glutaraldeído que responde muito bem;

Procedimento 02: Restauração de amálgama – me lembro que colocar restaurações de amálgama era chique, outros colocavam de ouro para expor status social A classificação de amálgama é justamente porque tem na liga o mercúrio na sua composição e o mercúrio é o único metal líquido na natureza, na presença de calor libera gases altamente tóxicos que causam dores de cabeça, náuseas, vômitos, irritabilidade, insônia, gosto metálico na boca, ataca a tireoide além de estar associado ao câncer e obesidade. A dica é substituir as restaurações de amálgama por resinas ou blocos de cerâmica, evitar tatuagens, principalmente de cor vermelha, vacinas também estão apresentando traços de mercúrio, tem que avaliar o custo/benefício e após a remoção, fazer a quelação, expurgar, retirar esse metal entranhado no corpo através do iodo, edta frequencial ou zeolita;

Procedimento 03: Tratamento de canal – diariamente as pessoas me perguntam, por isso estou gravando esse episódio, a dica é avaliar a clínica, se você apresenta sintomas de cansaço, fadiga, alguma doença crônica ou degenerativa. Se você não tiver, você tem três opções: fazer o canal e aguardar se futuramente vai aparecer algum sintoma, extrair e colocar uma prótese fixa ou extrair e se possível, fechar o espaço da falha dentária com tratamento de aparelho ortodôntico. Agora se você tiver algum sintoma não tratado na medicina tradicional, a dica é nunca se conformar com doenças incuráveis e buscar sempre uma solução para sua qualidade de vida;

Procedimento 04: Implante de titânio – hoje, se tem a opção de implante de zircônia, eu faria a opção de zircônia;

Dica: Preenchimento com metacrilato de metila, ou PMMA – existe vários preenchedores no mercado e um que foi muito utilizado foi o PMMA, nada mais é que super bonder em forma de gel. Além desse produto não ser bio compatível, não absorvido, ainda pode levar a uma doença autoimune. Afinal, é um corpo estranho implantado em nosso corpo. Isso serve para qualquer outro produto implantado no corpo, até mesmo para as próteses de silicone. A dica é usar sempre produtos que o nosso corpo produz como o PRP- Plasma rico em Plaqueta, bem como o ácido Hialurônico.

Dica Extra: Conservadorismo – tudo que o homem interfere no percurso natural da natureza, uma hora a conta chega. Pode ser que alguns anos até mesmo a toxina botulínica – o famoso botox, caia no descrédito, descubram que ela pode levar por exemplo a uma esclerose múltipla, mesmo em doses ínfimas, afinal, homeopatia usa doses que a matéria foi extinta, restando apenas a memória da matéria, a sua energia e o efeito pode ser devastador ou curador! Por que não? Quem se atreve dizer a verdade? Gandhi já dizia: ” Mesmo que sejais o único que a credita na verdade, ela continuará sendo verdade”.

A lista completa dos principais procedimentos você encontra no link da descrição.

link: http://seronni.com.br/odontopolemica

Resumindo, existe vários procedimentos na odontologia, antes de faze ló, questione com o seu dentista o ônus e o bônus.

Se você ainda não se atentou para esses procedimentos e dicas, comece a prestar a atenção, comece a praticar as dicas que sua saúde vai melhorar.

No próximo episódio vamos falar sobre terapia neuro focal, 5 dicas que você pode usa lá.

Então, o que você achou dessas dicas, qual assunto você gostaria de saber mais a respeito?

Ficou com alguma dúvida? Venha ser meu aluno, cadastre se na nossa consultoria online e venha fazer parte da nossa comunidade no Facebook O Doutor Saúde.

Curta, comente e compartilhe usando o iTunes e assine este podcast no seu dispositivo Apple, através do aplicativo podcast ou no seu dispositivo Android usando o aplicativo podcast da sua preferência, assim você fica sabendo sempre quando tiver um novo episódio, e é claro, estamos também no Spotify e no Dezzer.

Continue acompanhando este podcast eu sou Abílio Seronni, O seu doutor saúde do dicas curtas.

Um Abraço e até a próxima semana.

Pin It on Pinterest

Share This