Uma das habilidades mais fascinantes e intrigantes que os seres humanos têm é de criar realidades mentais e emocionais que acabam gerando, mais cedo ou mais tarde, a realidade natural, a realidade física da qual experimentamos.

Isso não é papo de metafísica ou mesmo um papo filosófico: essa capacidade é bem real, quer tenhamos consciência dela ou não, quer saibamos usá-la a nosso favor ou deixamos isso ao espontâneo.

O ponto é: primeiro você constrói, nutre e concebe em seu mundo interno (nos seus pensamentos, nas suas emoções e sentimentos) e isso transborda a partir de suas ações de fato. E é a partir de suas ações, reações e inações (que é a escolha de não agir) que você constrói ou destrói a sua realidade natural – que a gente pode chamar de mundo externo.

Nas literaturas, treinamentos, zilhões de vídeos pela internet afora é apresentada a forma de se fazer afirmações positivas. E nada contra quem pratica essa abordagem. Contudo, eu quero te apresentar uma abordagem diferente que pode facilitar a sua influência intencional no seu inconsciente, também em relação à sua vida financeira, mas serve para qualquer coisa. Eu quero te ensinar a usar as aformações.

É sobre isso que vamos tratar nesse podcast e no podcast seguinte.

Você está escutando o podcast do Investidor Inteligente; todas as semanas você pode nutrir a sua vida financeira com informações gratuitas de qualidade, apresentadas de forma bastante harmônica, lançando luz sobre diversos assuntos relacionados à finanças e investimentos.

Eu sou Phillip Souza, consultor em finanças pessoais e terapeuta financeiro, mentor em educação psicofinanceira especialista em inteligência financeira, o expert em Finanças e Investimentos do Dicas Curtas. Você me encontra nas diferentes redes sociais através do @phillipsouzabr.

Eu tenho o importante desafio de te auxiliar a destravar a sua mentalidade e te ajudar a entender que a prosperidade também é para sua vida: usando bem o seu dinheiro você pode desfrutar de qualidade de vida, fazer com que ele sobre e investi-lo para realizar seus sonhos e objetivos! Isso tudo para que você possa evoluir em seu comportamento a partir da desconstrução, reconstrução e transformação da sua mente ampliando sua percepção, aprendendo, evoluindo e se comportando de forma mais sábia e próspera em relação às suas finanças, transformando-se em um investidor ainda mais inteligente.

Esse e os outros podcasts do Dicas Curtas são gratuitos. Portanto, você pode acompanhar e assinar agora o Investidor Inteligente nas diferentes plataformas de podcast seja através do seu dispositivo Apple ou Android, sendo que você também pode encontrar o Investidor Inteligente pelos apps Spotify ou Deezer. Siga agora para não perder nenhuma dica, ficar por dentro com todas as informações e acompanhar todas as semanas os novos episódios para poder usar bem o seu dinheiro no presente e investir pensando no futuro!

Ouça “185 Usando um dos superpoderes da sua mente inconsciente para uma nova realidade de prosperidade financeira” no Spreaker.

Todos nós sabemos que uma “afirmação” é uma declaração de algo que você quer que seja verdadeiro em sua vida. Assim, um exemplo de “afirmação” tradicional poderia ser: “Eu sou rico”. Vamos tentar na prática.

Preste atenção ao que acontece em sua mente. Diga a si mesmo agora: “Eu sou rico”. Você ouviu o que aconteceu em sua mente? Talvez uma voz… uma voz que disse: “Sim, você é!”.

Agora eu quero que você fale de novo, mas agora preste atenção também às sensações que seu corpo reproduz, ok!? Isso é importante. Diga a si mesmo novamente: “Eu sou rico”. Se você é de fato rico e acredita de verdade, do fundo do seu coração nisso, você sentirá uma espécie de certeza, uma congruência; mas se você não acredita nisso a sensação pode parecer um pouco desconfortável, como se você estivesse contando uma mentira para si mesmo – simplesmente tem uma coisa interna que não converge, que não dá liga.

A verdade pura é que a maioria de nós (e eu me incluo) não acredita em grande parte das suas próprias “afirmações”. Por que isso acontece? Porque estamos tentando nos convencer de algo que não acreditamos ser verdade absoluta.

E isso é uma coisa muito séria porque se a gente não acredita de verdade naquilo que a gente afirma, como que nós vamos nos sentir alinhados àquilo que nós dissemos querer de verdade? A emoção é a chave que abre a porta para a ação, de dentro para fora. Mas se não existe uma emoção positiva por dentro a porta não abre e a ação (ou conjunto de ações) que vai começar a construir a realidade natural que queremos viver não existe. Provavelmente, nesse caso, existe uma emoção negativa ou, pelo menos, uma emoção confusa: e ela não abre a porta – ela dá mais uma volta na chave para trancar ainda mais a porta.

O que você encontra por aí

Os professores das disciplinas do sucesso tradicional perceberam que nós podemos não acreditar, de verdade, em suas “afirmações”. Então eles nos dizem que nós devemos repetir as “afirmações” mil… milhões de vezes até que, eventualmente, acreditemos nelas. Eu tenho certeza que você já fez e talvez ainda faça “afirmações positivas” como, por exemplo, “eu sou rico”, “eu sou feliz”, “eu tenho o suficiente” – fez e faz isso e talvez possa até ter acontecido algo relevante, mas na maioria das vezes depois disso absolutamente nada aconteceu. Eu estou mentindo? Talvez você seja um caso a parte, mas com a maioria esmagadora das pessoas que fez ou faz esse tipo de coisa nada costuma acontecer.

Eu também já fiz isso e mais um milhão de outras pessoas fazem ou fizeram; e as minhas primeiras vezes foi lá com o livro “Quem Pensa Enriquece”, de Napoleon Hill, e depois com o livro “Os Segredos da Mente Milionária”, de T. Harv Eker, com seus princípios de riqueza. Não tenho nada contra a metodologia, mas penso que para a maioria das pessoas não funciona, pois se assim fosse, bastava ler, por exemplo, o livro “Os Segredos da Mente Milionária” e colocar em prática as afirmações e ações para que nos tornássemos milionários – e existiria um estouro de pessoas milionárias em um curtíssimo espaço de tempo.

E sim, eu sei que não é tão simples: tem muito mais coisas que o livro nem arranha na superfície da parte psicológica e emocional relacionada a dinheiro e riquezas. Inclusive, eu fiz uma resenha crítica do livro, com meu entendimento de programação neuroliguística em três episódios: confere o episódio 117, 118 e 119 para ter mais detalhes.

Sua mente inconsciente trabalha de forma sofisticada

O ponto é que nossa mente inconsciente trabalha de uma maneira simples, mas sofisticada. Sempre que você diz ou pensa em algo, está fazendo uma afirmação, e quanto mais você repete esta afirmação, mais solidifica a crença em sua mente. Mas se a percepção interna é contrária não existe terreno para essa crença ser semeada e muito menos solidificada.

Por exemplo: traga à sua memória alguém que você conheça e que como padrão, vive repetindo (vive afirmando) frases como: “Eu me lembro com muita facilidade do nome das pessoas, isso é muito importante pra mim” ou “Ao ouvir o nome de alguém, pela segunda vez, sempre lembro quem é“ ou “Todas as vezes que vejo alguém eu me recordo facilmente do nome dela“.

Uma pessoa que tenha esses tipos de crenças plantadas em seu mundo interno sempre vai ter facilidade de lembrar do nome das pessoas, porque ela acredita de verdade, inclusive emocionalmente, nessas coisas e isso faz com que libere recursos de sua memória facilitando o processo de associação e lembrança do nome da pessoa que se tornou conhecida.

Aquilo que você acredita te permite ou te proíbe de fazer alguma coisa ou faz com que você perceba ou deixe de perceber determinadas coisas. Você consegue mais detalhes sobre o funcionamento das crenças no episódio 171 em que tratei sobre isso, na visão da Programação Neurolíguistica.

Colocado de uma forma mais simples: o nosso inconsciente aceita tudo o que escolhemos para acreditar de verdade. O que você escolhe pensar sobre si mesmo e sobre a vida torna-se verdade para você. E as nossas escolhas sobre o que podemos pensar são ilimitadas, basta definir o que queremos acreditar. “Ah, mas isso não é tão simples – porque se fosse assim, tão simples, todo mundo já teria mudado de vida”, não é? Pois é… eis que surge Noah St. John, autor do livro “O Código Secreto do Sucesso” que trata sobre aformações e nos apresenta uma sacada espetacular para influenciar de forma mais direta e sem barreiras a nossa mente inconsciente.

Certa vez ele estava no chuveiro uma manhã, pensando sobre como a mente humana está sempre no processo de pedir e procurar responder às perguntas. Por exemplo, se você se perguntar: “Por que o céu é azul?” – instantaneamente, seu cérebro começaria a procurar uma resposta. Pode ser que você não saiba, mas seu cérebro vai procurar uma justificativa ou vai ficar pensando naquilo até que uma resposta satisfatória apareça, certo? Ou seja, seu cérebro vai ficar curioso, ávido por fechar essa lacuna aberta. Daí o Noah se fez a seguinte pergunta: “Se a mente humana está sempre perguntando e procurando responder às perguntas, por que estamos fazendo declarações que não acreditamos? Por que não cortar esse intermediário?”

Essa é uma sacada sensacional que pode, de verdade, mudar a forma como você se sente sobre você mesmo e sobre sua vida, inclusive sobre a sua vida financeira. Deixa dizer de novo e mais devagar para enfatizar: essa é uma sacada sensacional que pode, de verdade, mudar a forma como você se SENTE sobre você mesmo e sobre sua vida, inclusive sobre a sua vida financeira.

Noah então se perguntou: “Como seria isso?”. Daí ele percebeu que se fazemos uma declaração, uma afirmação, que diz “Eu sou rico” o nosso cérebro responde “Sim, você é!”, mas isso não geralmente não reflete em congruência interna. Porém, se você se fizer a pergunta “Por que sou tão rico?” a sua lente perceptiva é alterada.

Como assim, Phillip?”. Quando você afirma, você define, você cria uma estrutura linguística que pode não ser verdade na sua realidade natural atual – e isso pode gerar sentimentos de confusão que não vão te levar a lugar nenhum. Mas quando você faz perguntas com o uso do “Por quê?” você abre possibilidades para o seu cérebro procurar justificativas, procurar respostas para aquela pergunta, para fechar a lacuna que foi aberta. Existem outras perguntas abertas? É claro que sim, e cada uma tem um propósito diferente.

De forma simples:

  • o “o quê” busca a compreensão do que se passa internamente, é uma pergunta exploratória;
  • o “como” também é uma pergunta exploratória, mas visa identificar o processo que se passa internamente em uma pessoa;
  • o “quando” e o “onde” são perguntas que procuram identificar o contexto, assim como o “com quem” enriquece o contexto se houver mais pessoas além de você em uma situação lembrada ou criada;
  • e o “por quê” faz com que nós busquemos internamente justificativas, razões.

Todas essas perguntas geram dentro da gente um tipo de reação inconsciente. Porém a pergunta com o “por quê”, desde que intencionalmente construída e bem feita, gera um resultado particular para o que estamos tratando aqui.

Vamos experimentar? Se faça a seguinte pergunta: “Por que eu já sou tão rico?”. Se faça essa pergunta algumas vezes, procurando deixar a sensação do questionamento inundar a sua mente e o seu corpo: “Por que eu já sou tão rico?”. Eu tenho certeza que o seu cérebro agora está procurando a resposta! Perceba que a sensação da procura por essa resposta – do porquê de você já ser tão rico – é diferente da sensação afirmação.

Independente da sua cosmovisão, o fato é que a lei da semeadura é real: “aquilo que você semear, assim você colherá”. Ou eu posso trazer de uma forma um pouco diferente: “plantar é opcional; colher não”.

E o que a maioria das pessoas fazem inconscientemente? Perguntas de péssima qualidade, tais como: “Por que eu sou um perdedor?” ou “Por que eu não faço nada certo?” ou “Por que estou tão sozinho?” ou qualquer outra pergunta-lixo que você pode selecionar ou que talvez até mesmo pense sobre si ou sobre a sua vida.

A maioria das pessoas não se faz perguntas de boa qualidade. Sendo assim, estão plantando dentro de si mesmas sementes ruins e vão colher frutos ruins: estão plantando pensamentos, emoções e sentimentos ruins e vão colher uma vida de escassez e toda sorte de negatividade, afinal, suas ações, reações e inações são um reflexo fiel do que já existe dentro de você. As pessoas se perguntam consciente e inconscientemente: “Por que eu não tenho dinheiro suficiente?”. Adivinha o que elas colhem? Os frutos do que semearam!

Portanto, aformações (e não “afirmações”) são perguntas que convencem a mente inconsciente que você já vive em uma determinada realidade. As aformações são mais poderosas que as afirmações porque quando fazemos a pergunta a mente já entende como uma verdade: você ultrapassa a resistência, a barreira de julgamento do que é certo ou errado, do que é mentira ou verdade da sua mente consciente e vai direto na sua mente inconsciente – no reino das emoções. Lembra do que eu falei agora há pouco? A emoção é a chave que abre (ou fecha) a porta por dentro.

De forma sucinta, existe um passo-a-passo para você construir com cuidado as suas próprias aformações.

Eu queria que você me dissesse se você já tinha esse entendimento sobre como utilizar o “por quê” de forma intencional para influenciar mais rapidamente a sua mente inconsciente. Essa é uma habilidade que todo mundo tem, mas por não saber a gente acaba levando a vida do jeito que a gente entende que é o melhor.

Inclusive, eu queria te fazer um pedido: se você aprendeu alguma coisa poderosa só nesse podcast (porque vamos tratar do processo de construção das aformações no próximo episódio) passa, transmite essa informação para as pessoas que você gosta, para as pessoas que você ama e para as pessoas que estão procurando melhorar suas vidas. Pode parecer simples demais, mas isso é poderoso – não é mágica, apenas é uma maneira mais eficiente de usar o seu cérebro e a sua linguagem interna, que já existe dentro de você.

E se você tiver algum comentário, alguma experiência a partir disso daqui que você está aprendendo eu quero que você me procure nas redes sociais e me envie o seu depoimento: você me encontra no Instagram e no Facebook através do perfil @phillipsouzabr. Eu quero te conhecer, quero sabe um pouco mais da sua história, para entender como que eu posso te ajudar ainda mais. No próximo podcast a gente trata sobre como podemos estruturar de forma inteligente e intencional as suas próprias aformações.

O podcast dO Investidor Inteligente também pode ser um pouco seu! Acesse a transcrição no blog do Dicas Curtas caso queira deixar algum comentário para esse episódio! E você também pode participar mais fazendo a mesma coisa encontrando a postagem no perfil do Dicas Curtas tanto no Instagram (siga @dicascurtas) quanto na fanpage dO Investidor Inteligente no Facebook. Aproveita para seguir o perfil, curtir a página e as postagens, marcar seus amigos e compartilhar com eles o que você está aprendendo aqui!

Caso queira, você também pode participar da comunidade exclusiva do Investidor Inteligente no Facebook, expondo suas dúvidas, dando suas sugestões de novos temas e apresentando postagens que agreguem à comunidade: leia e esteja consciente das regras antes de ingressar no grupo, ok?!

Todos os links estão na transcrição no blog e na descrição dos episódios.

Aproveite bem a sua semana, aproveite bem o seu tempo e aproveite bem as oportunidades que a vida te oferece.

Cuide bem de você, de sua família e de suas finanças!

Que Deus te abençoe! Aqui é Phillip Souza, e esse é o podcast dOInvestidor Inteligente!

Investidor Inteligente do Dicas Curtas

 

Pin It on Pinterest

Share This